Tecnologia a serviço da saúde

Equipamentos que promovem mais segurança a pacientes e protegem o meio ambiente fazem parte do parque tecnológico do Hospital Águas Claras

Correio Braziliense
postado em 01/10/2020 14:47 / atualizado em 02/10/2020 15:19
 (crédito: JOSE SIRLEY)
(crédito: JOSE SIRLEY)

Imagine dar entrada na emergência de um hospital, fazer exames e não precisar carregar vários papéis enquanto realiza consultas ou recebe medicações. Parece coisa do futuro, mas essa é apenas uma das propostas do novo Hospital da Rede Ímpar em Brasília.

Com uma equipe altamente especializada e pronta para atender diferentes especialidades, o Hospital Águas Claras possui tecnologia de ponta para oferecer o melhor atendimento em saúde. A integração digital entre todos os equipamentos médico-hospitalares leva informação com segurança e instantaneamente aos terminais de atendimento. Médicos e equipe de enfermagem conseguem monitorar em tempo real todo o trajeto do paciente.

“No momento em que o paciente chega ao consultório médico, e todos os exames, históricos e coleta de sinais vitais estão disponíveis no sistema, temos mais segurança para chegar a uma hipótese diagnóstica mais segura”, afirma o coordenador médico do pronto-socorro e unidade de internação do Hospital Águas Claras, Alex Halley Cardozo Cembranel. De acordo com o especialista, quando se tem todas as informações com o mínimo de ruídos na transmissão, há mais assertividade no raciocínio clínico.

A tecnologia também auxilia na redução do tempo médio de atendimento do paciente no pronto-socorro. Segundo Cembranel, “a tecnologia otimiza recursos, evitando custos desnecessários, proporciona mais assertividade diagnóstica à equipe, diminui readmissões e aumenta a eficiência do trabalho. É uma ação ganha-ganha: para o paciente, para os planos de saúde e para o hospital, que vai ter mais sustentabilidade”.

Diferentes equipamentos conectados a um mesmo sistema auxiliam na coleta de informações e garantem segurança ao paciente e à equipe de assistência. Os sinais vitais do paciente, por exemplo, podem ser coletados diretamente nos equipamentos, o que permite precisão e armazenamento seguro. As camas de UTI, além de possuírem sensor de queda, minimizando o risco de acidentes, são capazes de aferir o peso do paciente, o que reduz a necessidade de locomoção e ainda contribui para o cálculo do balanço hídrico e uma maior assertividade na prescrição da medicação.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação