McDonald's acusa ex-CEO de mentir ao ser demitido e pede reembolso

Steve Easterbrook foi demitido após contrariar às normas do grupo e manter um relacionamento com uma pessoa que trabalhava na empresa

Agência France-Presse
postado em 10/08/2020 12:19 / atualizado em 10/08/2020 12:19
 (foto: Saul LOEB / AFP)
(foto: Saul LOEB / AFP)

O McDonald's anunciou nesta segunda-feira que processará seu ex-CEO Steve Easterbrook, demitido em novembro de 2019 por ter mantido uma relação "consensual" com uma pessoa que trabalhava na empresa, mas contrária às normas do grupo, para que devolva o dinheiro da indenização, por ter mentido.

A direção da empresa tomou conhecimento após a saída do executivo que Easterbrook havia mentido e que manteve relações sexuais com outros três funcionários, o que leva o McDonald's a exigir o reembolso da indenização por demissão de 40 milhões de dólares que foi paga.

Steve Easterbrook, ex- CEO do McDonald's.
(foto: Drew Angerer / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP)

A empresa afirma que o ex-executivo teria concedido ações avaliadas em centenas de milhares de dólares a uma destas pessoas que teria destruído provas, de acordo com o documento enviado às autoridades que administram a Bolsa americana.

A direção não teria pago indenização "se o senhor Easterbrook tivesse dispensado por justa causa" em novembro de 2019 e busca recuperar o dinheiro, afirma o documento.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação