América Latina soma 6 milhões de infectados e Brasil tem metade dos casos

O Brasil, com 3 milhões de casos e 107.232 mortos, é o país latino mais afetado.

Agência France-Presse
postado em 15/08/2020 21:21 / atualizado em 15/08/2020 21:21
 (foto: Juan Mabromata/AFP)
(foto: Juan Mabromata/AFP)

A região América Latina e Caribe, a mais afetada do mundo pelo coronavírus, superou neste sábado a marca de 6 milhões de infectados, enquanto a Europa acelera a adoção de novas restrições, ante o temor de uma segunda onda.

Nos últimos sete dias, quase metade das mortes no mundo por COVID-19 aconteceram na América Latina e Caribe, região que contabiliza 237.829 vítimas fatais desde o início da pandemia, de acordo com um balanço da AFP com base em dados oficiais. A região somava 6.024.138 infectados às 23h GMT deste sábado.

O Brasil, com 3 milhões de casos e 107.232 mortos, é o país latino mais afetado. Apesar deste balanço, os principais pontos turísticos do Rio de Janeiro, incluindo o Cristo Redentor, reabriram para o público neste sábado, após cinco meses de interrupção das atividades.

"A reabertura do Cristo simboliza a reabertura do Brasil ao turismo", disse o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Os visitantes devem usar máscara, manter a distância mínima de dois metros e não poderão deitar no chão, algo habitual entre as pessoas que buscavam o melhor ângulo para fotos diante da estátua gigantesca.

A pandemia não afetou a popularidade do presidente Jair Bolsonaro, que menosprezou a doença e rechaçou medidas de confinamento: 47% dos brasileiros o isentam de responsabilidade pelas mortes causadas pela pandemia, segundo resultados de uma pesquisa que, na véspera, já deu a Bolsonaro os maiores índices de popularidade desde a sua chegada ao poder.

Depois do Brasil, a lista de países mais afetados da região inclui Peru (516.296 casos e 25.856 óbitos) e México (511.369 infectados e 55.908 mortos).

O impacto da pandemia também se reflete na Argentina, onde o governo prorrogou até o fim do mês o isolamento social, que soma 148 dias. O Equador, que superou neste sábado a marca de 100.000 casos, prorrogou até 13 de setembro o estado de exceção em vigor desde março.

As medidas para conter o vírus no Peru deixam sequelas na economia. O PIB do país caiu 17,37% no primeiro semestre, iniciando uma recessão.

Retrocessos na Europa

O novo coronavírus matou mais de 760.000 pessoas em todo o planeta e mais de 21,2 milhões foram infectadas. Os Estados Unidos lideram com folga a lista dos países com os piores números, com 168.446 mortos e 5,3 milhões de casos.

No verão europeu, o medo aumenta com a chegada da segunda onda do vírus, e países como França e Reino Unido aceleraram neste sábado a imposição de medidas preventivas, que representam um freio no processo de desconfinamento iniciado em meados de maio em grande parte do continente, após a primeira onda do novo coronavírus.

A França registrou mais de 3,3 mil novos casos nas últimas 24 horas, a maior cifra desde maio. A prefeitura de Paris ampliou neste sábado o número de zonas da cidade com uso obrigatório de máscara, dias após várias cidades europeias tomarem a mesma decisão.

"Desde meados de julho, todos os indicadores mostram que o vírus circula novamente de maneira mais ativa na região", afirmou a prefeitura ao justificar a medida. A celebração de Nossa Senhora da Assunção, que reúne habitualmente 25.000 fiéis em Lourdes (sudoeste da França), uma das peregrinações mais importantes da cristandade, aconteceu neste sábado com os fiéis obrigados a usar máscara.

Quase 5.000 peregrinos compareceram à basílica de São Pio X, uma gigantesca igreja subterrânea, que tem capacidade para receber um número cinco vezes maior de pessoas.

Em consequência da nova onda de contágios na França, o Reino Unido passou a aplicar hoje uma quarentena de 14 dias aos viajantes procedentes daquele país, assim como de Holanda e Malta. A medida já estava em vigor para Espanha, Bélgica, Andorra e Bahamas

Na Espanha, com 3.000 infecções diárias nos últimos dois dias, o governo decretou na sexta-feira a proibição de cigarro nas ruas, exceto quando for possível observar a distância de segurança de dois metros, assim como o fechamento de discotecas e bares noturnos.

O vírus ameaça a Liga Espanhola, com pelo menos sete clubes da Primeira Divisão já afetados por casos da doença antes do início da próxima temporada, previsto para 12 de setembro.

Na Ásia, a Coreia do Sul reforçou as restrições em Seul e seus arredores, no momento em que o país registra o maior número diário de novas infecções em mais de cinco meses.

Avanços na vacina russa

Diante de um vírus que não dá trégua, a esperança passa por uma vacina. Autoridades russas anunciaram neste sábado avanços na produção de sua vacina Sputnik V.

"O primeiro lote da nova vacina contra o coronavírus foi produzido no Centro de Pesquisas Gamaleya", indicou o Ministério da Saúde da Rússia a respeito do fármaco, anunciado na última terça-feira pelo presidente Vladimir Putin.

Cientistas ocidentais, no entanto, expressaram ceticismo e prosseguem com diversos projetos de vacinas.

Na América Latina, Argentina e México anunciaram durante a semana um acordo para produzir, em todo continente, a vacina em estudo pelo laboratório AztraZeneca e a Universidade de Oxford. O Brasil não integra o projeto por ter os próprios acordos com laboratórios e universidades.

O governo dos Estados Unidos, que investiu mais de 10 bilhões de dólares em seis projetos de vacinas e assinou contratos que garantem a entrega de centenas de milhões de doses em caso de êxito, prometeu vacinar os americanos de maneira gratuita.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação