Obituário

Irmã de Evo Morales morre por coronavírus na Bolívia

Esther Morales era a mais velha de sete irmãos da família Morales Ayma (a maioria já falecidos), a quem o ex-presidente boliviano considerava como sua mãe

Agência France-Presse
postado em 16/08/2020 13:35 / atualizado em 16/08/2020 13:35
 (foto: Reuters/David Mercado)
(foto: Reuters/David Mercado)

Esther Morales, a irmã mais velha do ex-presidente esquerdista Evo Morales (2006-2019), morreu na madrugada deste domingo (16/8) na Bolívia, informou o ex-governante no Twitter.

A imprensa revelou que a irmã de Morales estava há vários dias internada devido ao coronavírus.

"Acompanho neste momentos de profunda dor de toda a família Morales, a meu cunhado Ponciano Willcarani, a meus sobrinhos e netos ante do falecimento de Esther, que foi uma mãe para todos. Minhas condolências. Que descanse em paz", escreveu o ex-presidente, exilado na Argentina.

"Por quê tanto ódio, racismo e perseguição política que me impedem de ver, pela última vez, minha única irmã", completou.

Esther, de 70 anos, faleceu devido à covid-19, informou o jornal La Patria de Oruro. Ela permaneceu internada por esta doença em um hospital desta cidade do sudeste da Bolívia, enquanto a família tentava a transferência para algum centro médico com CTI.

Esther Morales era a mais velha de sete irmãos da família Morales Ayma (a maioria já falecidos), a quem o ex-presidente boliviano considerava como sua mãe.

Em novembro do ano passado, após a renuncia do ex-presidente em meio aos protestos sociais, sua residência foi incendiada, assim como outros imóveis de personalidades ligadas ao Movimento ao Socialismo (MAS), o partido de Morales.

Esther Morales não chegou a entrar na política e apesar de seu desejo de tornar-se a primeira-dama, uma vez que Evo Morales não era casado, o ex-presidente não permitiu que assumisse a função, embora o acompanhasse com frequência em suas viagens oficiais.

Com uma população de 11 milhões de habitantes, a pandemia de covid-19 já provocou na Bolívia 99.146 contágios e pouco mais de 4.000 mortos.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação