Charlie Hebdo

Irã chama de "provocação" aos muçulmanos a publicação de caricaturas de Maomé

No Irã, ofender ou fazer piada com o profeta pode ser punido com a pena de morte

Agência France-Presse
postado em 04/09/2020 09:17 / atualizado em 04/09/2020 09:20
Capas do semanário satírico francês Charlie Hebdo,
Capas do semanário satírico francês Charlie Hebdo, "Tudo isso, só para isso", publicado em 2 de setembro para marcar o início da semana do julgamento dos ataques de 2015. - (foto: AFP)

O Irã condenou nesta sexta-feira a republicação das caricaturas de Maomé pelo semanário satírico francês Charlie Hebdo e denunciou uma "provocação e um insulto" aos muçulmanos.

"O ato ofensivo da publicação francesa é uma provocação", afirma um comunicado divulgado pelo ministério iraniano das Relações Exteriores.

O Irã também considera a republicação um "insulto aos valores islâmicos e à fé de mais de um bilhão de muçulmanos no mundo", completa a nota oficial.

Ofender ou fazer piada com o profeta pode ser punido com a pena de morte no Irã.

Na quarta-feira começou em Paris o julgamento pelos atentados jihadistas contra o Charlie Hebdo, um supermercado de alimentos kosher e vários policiais. Os ataques de janeiro de 2015 deixaram 17 mortos em três dias.

No dia do início do julgamento, Charlie Hebdo publicou novamente as caricaturas que transformaram a revista em alvo dos extremistas.

O Irã condenou em janeiro de 2015 o atentado contra o semanário, mas afirmou na ocasião que os desenhos eram um "insulto" aos muçulmanos e um "abuso" da liberdade de expressão.

O Irã ocupa o 173º lugar (de um total de 180) na classificação mundial de liberdade de imprensa por países estabelecida anualmente pela ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação