Violência

Polícia mata suspeito de assassinar militante de extrema direita em Portland

Michael Forest Reinoehl, 48 anos, segundo a imprensa americana, foi morto por agentes na noite de ontem

Agência France-Presse
postado em 04/09/2020 13:32 / atualizado em 04/09/2020 13:35
Os investigadores trabalham perto de uma lona que cobre o corpo de um homem que supostamente é Michael Forest Reinoehl depois de ter sido baleado e morto por policiais. -  (foto: Nathan Howard / Getty Images / AFP)
Os investigadores trabalham perto de uma lona que cobre o corpo de um homem que supostamente é Michael Forest Reinoehl depois de ter sido baleado e morto por policiais. - (foto: Nathan Howard / Getty Images / AFP)

A polícia matou um suspeito do assassinato de um militante de extrema direita na noite de quinta-feira (3/9) no estado de Washington, durante manifestações em Portland, no oeste dos Estados Unidos - anunciaram autoridades locais nesta sexta (4/9).

O homem de 48 anos, um ativista de extrema esquerda identificado como Michael Forest Reinoehl segundo a imprensa americana, foi morto por agentes na noite de ontem, confirmou à AFP um porta-voz da polícia do condado de Thurston, sudoeste de Seattle.

O suspeito, cujos movimentos estavam sendo monitorados, saiu de seu apartamento e, quando se aproximou de seu carro, os policiais tentaram prendê-lo, relatou o tenente Ray Brady.

O homem parecia estar armado e tentou fugir, segundo policiais locais. Quatro policiais atiraram nele várias vezes, relatou Brady.

Uma investigação, que pode durar meses, foi aberta, e a descoberta da arma não foi confirmada no momento.

Reinoehl era procurado pela morte de Aaron Danielson, de 39 anos, apoiador do grupo de extrema direita chamado Patriot Prayer. Danielson foi baleado e morto em 29 de agosto durante confrontos entre manifestantes antirracismo e pró-Trump.

Autodenominando-se "antifascista" nas redes sociais, Reinoehl deu uma entrevista à revista americana "Vice", na qual parecia admitir o assassinato de Danielson. Na entrevista, ele disse que "não tinha outra opção".

"Eu poderia ter ficado lá e visto um amigo meu, um homem de cor, ser morto. Mas eu não faria isso", afirmou ele.

Por 100 dias, a cidade de Portland foi palco de manifestações contra o racismo e a brutalidade policial. Muitas vezes, esses protestos terminam em confrontos com as forças de segurança.

Pouco antes da notícia da morte de Reinoehl, o presidente Donald Trump escreveu no Twitter: "Por que a polícia de Portland não prendeu a pessoa que matou Aaron 'Jay' Danielson a sangue frio?".

"Façam seu trabalho e façam rápido. Todo mundo sabe quem é esse valentão. Não é nenhuma surpresa que Portland tenha caído no inferno", acrescentou Trump.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação