África

OIM: 83 migrantes são resgatados em deserto no norte do Níger, perto da Líbia

Coronavírus ou não, milhares de africanos continuam tentando realizar a perigosa travessia do deserto para chegar ao litoral do Mediterrâneo e depois tentar chegar à Europa

Agência France-Presse
postado em 08/09/2020 14:48 / atualizado em 08/09/2020 14:55
 (foto: AFP / JOHN WESSELS)
(foto: AFP / JOHN WESSELS)

Um total de 83 migrantes, quase metade deles mulheres, foram resgatados na semana passada em Dirku (norte do Níger) perto da Líbia, anunciou nesta terça-feira (8/9) a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Os migrantes: 41 nigerinas (incluindo gêmeas de 4 anos) e 42 homens (34 nigerinos, quatro togoleses, três ganeses e um malinês) foram resgatados em 3 de setembro pelos serviços de Proteção Civil do Níger e pela equipe de resgate da OIM, destacou a agência da ONU no Facebook.

Eles haviam saído de Agadez, a grande cidade do norte do Níger e, uma semana depois, foram "abandonados por seus contrabandistas", em 1o de setembro, a cerca de 230 km de Dirku, segundo a mesma fonte.

"Passamos três dias aqui --no deserto--, sem comida e água. Fomos buscar água, mas encontramos somente poços sujos para gado. As pessoas desapareciam ao meu redor", disse um migrante nigerino, de 25 anos, citado pela OIM.

Após receber água, alimentos e atedimento médico, os migrantes foram levados a um local de confinamento em Dirku, onde ficarão em quarentena durante 14 dias por prevenção do coronavírus, acrescentou a OIM.

Coronavírus ou não, milhares de africanos continuam tentando realizar a perigosa travessia do deserto pelo norte do Níger e Líbia para chegar ao litoral do Mediterrâneo e depois tentar chegar à Europa.

Em abril, mais de 250 migrantes foram resgatados perto de Madama, outra cidade nigerina perto da Líbia.

O Níger, país da região do Sahel, entre os mais pobres do mundo, registrou oficialmente 1.178 casos de covid-19 desde março, com 69 mortes. Suas fronteiras terrestres ainda estão fechadas como medida preventiva diante da pandemia.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação