Refugiados

Treze pessoas são presas após incêndio em um campo de migrantes na Grécia

Após o incêndio, 12 mil pessoas, que viviam no local em condições insalubres, ficaram desabrigadas

Agência France-Presse
postado em 16/09/2020 09:06 / atualizado em 16/09/2020 09:08
Uma foto tirada em 16 de setembro de 2020 mostra os restos do acampamento de migrantes Moria queimado na ilha grega de Lesbos. -  (crédito: ANGELOS TZORTZINIS / AFP)
Uma foto tirada em 16 de setembro de 2020 mostra os restos do acampamento de migrantes Moria queimado na ilha grega de Lesbos. - (crédito: ANGELOS TZORTZINIS / AFP)

Treze pessoas foram detidas na ilha grega de Samos após um incêndio em um campo de migrantes, anunciou a polícia, poucos dias depois que as chamas destruíram o campo de refugiados de Moria, o maior da Europa, na ilha grega de Lesbos.

"Estamos investigando vários suspeitos", afirmou uma fonte policial à AFP, sem revelar detalhes sobre a nacionalidade dos detidos.

O incêndio começou na terça-feira à noite em uma zona florestal próxima do campo de Samos, mas foi rapidamente controlado pelos bombeiros.

Na madrugada de 8 para 9 de setembro, o grande campo de Moria, aberto há cinco anos em plena crise migratória, foi devastado pelas chamas e 12 mil pessoas, que viviam no local em condições insalubres, ficaram desabrigadas.

Na segunda-feira, a polícia grega prendeu seis migrantes que estariam provavelmente relacionados com o incêndio.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação