Corrupção

Banco suíço negocia devolver milhões de dólares do escândalo da Fifa

Em maio de 2015, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos indiciou 14 pessoas, nove das quais eram funcionários do alto escalão da Fifa

Agência France-Presse
postado em 16/09/2020 13:34 / atualizado em 16/09/2020 13:36
 (crédito: Fabrice COFFRINI / AFP)
(crédito: Fabrice COFFRINI / AFP)

O banco suíço Julius Baer anunciou nesta quarta-feira que está "em negociações avançadas" com o sistema de justiça dos Estados Unidos e poderia entregar vários milhões de dólares relacionados ao escândalo de corrupção dentro da Fifa.

A soma pode chegar a "duas cifras em milhões de dólares", informou o banco especializado em gestão de fortunas, acrescentando que "não pode fazer nenhum comentário adicional até o fechamento das negociações".

Em maio de 2015, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos indiciou 14 pessoas, nove das quais eram funcionários do alto escalão da Fifa, em uma investigação que levou a uma série de prisões em um grande hotel em Zurique.

O Julius Baer é uma das instituições financeiras cujo nome consta da lista de estabelecimentos utilizados para realizar transações monetárias investigados pelas autoridades americanas.

O banco divulgou que coopera com a justiça dos Estados Unidos desde 2015.

Em fevereiro de 2020, a Finma, a autoridade suíça de fiscalização do mercado, sancionou a instituição financeira depois de encontrar graves falhas na sua gestão que permitiram a lavagem de dinheiro entre 2009 e o início de 2018.

O banco foi sancionado por não ter esclarecido a identidade de seus clientes e o objetivo de suas relações comerciais, no âmbito de uma investigação lançada por suposta corrupção na Fifa, mas também no grupo petrolífero venezuelano PDVSA.

A Finma proibiu o Julius Baer de fazer grandes aquisições até que implementasse um procedimento para identificar seus clientes de risco.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação