Violação sexual

Unicef pede fim de crimes e abusos contra crianças na Nicarágua

O Unicef expressou "preocupação profunda com os crimes e a violação sexual de crianças e adolescentes registrados no país

Agência France-Presse
postado em 17/09/2020 21:01
 (crédito: Divulgação/Unicef)
(crédito: Divulgação/Unicef)

Manágua, Nicarágua - O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) pediu nesta quinta-feira a autoridades da Nicarágua e à sociedade o fim da "violência sexual e do assassinato" de crianças e adolescentes, que deixou este ano 11 vítimas no país.

O Unicef expressou "preocupação profunda com os crimes e a violação sexual de crianças e adolescentes registrados no país". O órgão lamentou, especialmente, o assassinato de duas meninas, de 10 e 12 anos - uma das quais teria sido estuprada - no último sábado, quando banhavam-se em um rio próximo à sua residência, no município de Mulukuku, a 245 km de Manágua.

Outras duas crianças, de 2 e 4 anos, sofreram abusos nos últimos cinco dias, segundo denúncias de parentes à imprensa local. A Federação da Coordenadoria Nicaraguense de ONGs que trabalham com crianças e adolescentes (Codeni) contabiliza 11 crianças e adolescentes vítimas de assassinato em 2020.

"O Unicef faz um chamado com sentido de urgência e alarme" para que as autoridades competentes e a sociedade em geral empreendam ações para deter todo tipo de abuso e violação envolvendo crianças e adolescentes, diz a declaração, que também defende que as instâncias competentes "atuem para que todos os crimes cometidos sejam investigados, processados e condenados oportunamente".

O presidente Daniel Ortega, no contexto das festas nacionais e da consternação com o assassinato das meninas em Mulukuku, anunciou que irá impulsionar uma reforma polêmica das leis, para estabelecer a prisão perpétua como pena máxima para crimes que a legislação atual pune com 30 anos de prisão. Segundo o presidente, serão punidos os que cometerem crimes contra menores e crimes de ódio.

Opositores alertaram que Ortega pretende usar um fato que consternou os nicaraguenses para punir quem protestar contra seu governo com a prisão perpétua.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação