AGRESSÃO SEXUAL

Ex-modelo denuncia Trump

Em entrevista ao jornal britânico The Guardian, Amy Dorris afirma que o magnata republicano a beijou e a tocou sem consentimento durante um torneio de tênis, em Nova York, há 23 anos. Advogados negam a acusação

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 18/09/2020 00:57

No momento em que intensifica a campanha à reeleição, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi alvo, ontem, de mais uma denúncia de agressão sexual. A nova acusação foi apresentada pela ex-modelo Amy Dorris ao jornal britânico The Guardian, que relatou ter sido abordada de forma insistente e não autorizada pelo magnata republicano, durante um torneio de tênis disputado há 23 anos, em Nova York.
Na época, Amy Dorris tinha 24 anos, e Trump, 51. Segundo ela, o bilionário a beijou e a tocou sem seu consentimento, em 5 de setembro de 1997, em frente ao banheiro de seu camarote no US Open, o Grand Slam americano. Por meio de seus advogados, o chefe da Casa Branca negou as acusações.
“Ele enfiou a língua na minha garganta enquanto eu o rejeitava. Então ele me apertou mais, colocou as mãos na minha bunda, nos meus seios, nas minhas costas, tudo”, disse Dorris. Ela destacou que pediu a Trump, na época um incorporador imobiliário, que parasse.
Trump, contou a ex-modelo, ignorou sua rejeição. “Fiquei presa no abraço dele, não consegui sair”, afirmou. Amy Dorris afirmou que sentiu “nojo” e ficou “indignada”.
Na entrevista ao jornal britânico, a ex-modelo disse que morava na Flórida e que estava em Nova York a passeio com o então namorado, Jason Binn, empresário americano amigo de Trump. Os três saíram juntos algumas ocasiões. O atual presidente dos EUA estava no segundo casamento, com a atriz Marla Maples.
O presidente dos Estados Unidos já foi acusado de agressão, ou assédio, sexual por mais de uma dúzia de mulheres, incluindo a editorialista E. Jean Carroll, que o acusou de estupro em meados da década de 1990. O magnata rejeita todas essas denúncias. No caso de E. Jean Carroll, ele alegou que ela não era “seu tipo de mulher”.
Pouco antes da eleição de 2016, circulou na internet um vídeo de 2005 em que Trump aparece gabando-se de ser capaz de pegar as mulheres por seus órgãos genitais, graças à sua notoriedade.

Corpo a corpo

Faltando menos de sete semanas para as eleições, Trump e seu adversário, o democrata Joe Biden, tratam de reforçar o corpo a corpo com o eleitorado. Nos últimos dias, o ex-vice de Barack Obama tem aumentado suas aparições públicas depois de passar longos períodos em sua casa em Delaware, em razão da pandemia do coronavírus.
Ontem, em meio à repercussão da nova denúncia de assédio, Trump retornou a Wisconsin para um evento público ao ar livre exibindo sua marca registrada, em contraste com o estilo mais calmo de Biden. Antes de embarcar, o republicano criticou, mais uma vez, a decisão de muitos estados de encorajar o voto pelo correio para evitar riscos potenciais de coronavírus nas seções eleitorais.
O presidente tuitou que a mudança, popular entre os democratas, promoverá “caos eleitoral”, uma vez que, segundo ele, os resultados da votação “nunca podem ser determinados com precisão”. Usado regularmente em eleições anteriores, o voto pelo correio nunca foi vinculado a uma fraude em larga escala.
Enquanto isso, Biden tenta projetar uma alternativa tranquila à fúria de Trump. O democrata viajou para Scranton, sua cidade natal, na Pensilvânia, para participar de um fórum organizado pela CNN.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação