Eleições

No Equador, frente de esquerda é autorizada a registrar novo vice

Nome será indicado em substituição ao ex-presidente Rafael Correa, condenado a prisão por corrupção. Jornalista Carlos Rabascall deve compor a chapa

Correio Braziliense
postado em 01/10/2020 09:49
Rafael Correa foi julgado à revelia e condenado por suborno a favor de seu partido  -  (crédito: AFP / Kenzo TRIBOUILLARD)
Rafael Correa foi julgado à revelia e condenado por suborno a favor de seu partido - (crédito: AFP / Kenzo TRIBOUILLARD)

O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) do Equador concedeu nesta quinta-feira prazo de dois dias para que uma coalizão de esquerda registre um novo candidato à vice-presidência, em substituição ao ex-presidente Rafael Correa, condenado a prisão por corrupção.

"Com base no relatório técnico e jurídico, o #PlenoCNE concede um prazo de dois dias para que a aliança UNES designe o substituto do pré-candidato à vice-presidência e corrija os requisitos do pré-candidato à presidência", escreveu no Twitter a presidente do CNE, Diana Atamaint.

A decisão foi tomada por três votos a favor, um contra e uma abstenção durante uma sessão do CNE.

Atamaint lembrou em um comunicado que o ex-presidente está "inabilitado de participar" por ter uma sentença executável por crime de suborno, o que implica a suspensão pelo resto da vida para atuar em cargos públicos.

O substituto de Correa (2007-2017) será o jornalista Carlos Rabascall.

A Aliança União pela Esperança (UNES) também deverá corrigir em 48 horas uma inconsistência no cartão de cidadania do candidato à presidência Andrés Arauz.

Correa mora na Bélgica e tem uma ordem de captura desde que a justiça equatoriana ratificou em última instância a condenação a oito anos de prisão por corrupção.

Rafael Correa foi julgado à revelia e condenado por suborno a favor de seu partido em troca de contratos com várias empresas durante seu governo.

O ex-presidente, 57 anos, alega inocência e afirma que é perseguido pelo governo do atual presidente Lenín Moreno, seu ex-vice-presidente e ex-aliado.

Correa foi vinculado ao caso por 6.000 dólares que entraram em sua conta bancária. Ele afirma que a quantia era de um empréstimo de um fundo de seu partido.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação