Pandemia

Madri adota novas restrições de deslocamento para combater covid-19

Os moradores de Madri e de nove municípios próximos só podem sair de sua localidade em casos específicos, que incluem seguir até o trabalho, procurar atendimento médico e ajudar pessoas dependentes

Agência France-Presse
postado em 03/10/2020 15:39
 (crédito: AFP/Oscar Del Pozo)
(crédito: AFP/Oscar Del Pozo)

Um total de 4,5 milhões de madrilenos acordaram neste sábado com novas restrições de deslocamento para tentar frear o coronavírus, que avança perigosamente em outros países da Europa e outros continentes, onde a doença superou a marca de 100 mil mortes.

Os moradores de Madri e de nove municípios próximos só podem sair de sua localidade em casos específicos, que incluem seguir até o trabalho, procurar atendimento médico e ajudar pessoas dependentes.

A decisão passou a ser aplicada às 22h locais de sexta-feira, após uma disputa intensa entre as autoridades do governo central (de esquerda) e o governo regional de Madri, de linha conservadora, que não aceitavam as restrições, sobretudo por suas consequências econômicas.

As medidas pretendem frear o avanço do vírus em Madri, de "extraordinária gravidade" nas palavras do primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez.

A Espanha registra até o momento 790 mil contágios e mais de 32 mil mortes por covid-19 e Madri concentra um terço dos números. A região tem 500 casos para cada 100 mil habitantes nas últimas duas semanas.

Mas a aplicação das medidas promete ser complicada. Os habitantes das áreas envolvidas não estão confinados em suas casas e poderão se movimentar livremente dentro de seus municípios. Além disso, os especialistas consideram que as normas foram anunciadas de maneira tardia e são insuficientes.

Os contágios também aumentam de maneira vertiginosa em outros países como Reino Unido ou França. Em Paris, caso os números não mudem, o governo provavelmente decidirá na segunda-feira dar um passo adiante nas restrições e fechar todos os bares e restaurantes.

Na Alemanha, os cidadãos que se opõem às restrições pelo coronavírus organizaram neste sábado uma grande corrente humana no lago Bodensee, na fronteira com a Áustria e a Suíça, com o objetivo de unir um número suficiente de pessoas para alcançar os limites dos dois países.

Na Itália, um dos países mais afetados pela primeira onda do vírus, mas que até o momento não enfrenta novos surtos preocupantes, o papa Francisco fará neste sábado seu primeiro deslocamento fora de Roma em sete meses, uma visita à cidade de Assis, onde nasceu São Francisco, para assinar sua terceira encíclica, dedicada à "fraternidade".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação