Ato

Manifestantes pró-Irã ateiam fogo à sede de partido curdo

Multidões saquearam o prédio do líder curdo Massud Barzani, do Partido Democrático do Curdistão (KDP), no centro de Bagdá, antes de incendiá-lo

Correio Braziliense
postado em 17/10/2020 10:45 / atualizado em 17/10/2020 10:45
 (crédito: AFP / AHMAD AL-RUBAYE)
(crédito: AFP / AHMAD AL-RUBAYE)

Centenas de partidários da coalizão paramilitar pró-Irã Hashd al-Chaabi, agora integrada ao Estado iraquiano, incendiaram a sede do partido no poder no Curdistão, neste sábado (17/10), após as críticas de um de seus líderes - relatou um fotógrafo da AFP.

Multidões saquearam o prédio do líder curdo Massud Barzani, do Partido Democrático do Curdistão (KDP), no centro de Bagdá, antes de incendiá-lo. A mobilização de um forte dispositivo policial não conseguiu conter a multidão.

Em meio a colunas de fumaça preta, os manifestantes agitavam bandeiras do Hashd e retratos do general iraniano Qassem Soleimani e do ex-comandante do Hashd Abu Mehdi al-Muhandis, ambos assassinado pelos Estados Unidos. Também queimaram a bandeira curda e os retratos de Barzani.

Hoshyar Zebari, ex-ministro das Relações Exteriores iraquiano e alto executivo do PDK, estimou há duas semanas que "a principal missão do novo governo é 'limpar' a Zona Verde (onde as autoridades iraquianas e a embaixada dos EUA estão localizadas) da presença de Hashd". Zebari chamou o Hashd de "força fora da lei".

Questionado pela AFP, o chefe do grupo parlamentar PDK em Bagdá, Vian Sabry, acusou "grupos rebeldes" de estarem por trás do ataque, sem revelar seus nomes.

Em 1º de outubro, o Serviço Antiterrorista do Curdistão acusou o Hashd, pela primeira vez diretamente, de ter lançado mísseis no aeroporto de Erbil, capital da região autônoma do Curdistão iraquiano. Vários soldados americanos se encontram estacionados nessa área.

No final de agosto, uma multidão ateou fogo à emissora de televisão de um político sunita por transmitir um programa festivo no dia do luto pelo Ashura.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação