Notas

Correio Braziliense
postado em 20/10/2020 22:06

Microfones silenciados
O último debate entre o presidente Donald Trump e o democrata Joe Biden, marcado para amanhã à noite, em Nashville (Tennessee), terá um elemento a parte para evitar interrupções. O microfone do candidato será silenciado quando ele não estiver respondendo a perguntas. Trump e Biden terão dois minutos para responder às questões do mediador, tempo em que o microfone do rival será cortado. Uma vez que ambos os candidatos tenham utilizado os dois minutos, haverá uma discussão aberta, na qual os microfones permanecerão ligados. No último debate, em setembro, Trump interrompeu Biden 71 vezes, enquanto o ex-vice-presidente democrata cortou o rival 22 vezes, segundo o portal de notícias Axios.

Comício drive-in com Obama
Antes, na tarde de hoje, o ex-presidente democrata Barack Obama fará a primeira aparição na campanha de seu ex-vice e atual aspirante à Casa Branca: um comício “drive-in” ao lado de Biden, na Filadélfia. A Pensilvânia é um estado-chave para vencer as eleições. Obama, de 59 anos, “fará um comício drive-in e incentivará os moradores da Pensilvânia a fazer planos para votar antecipadamente”, anunciou a campanha de Biden, por meio de um comunicado. Obama manteve-se à margem da campanha eleitoral nas primárias democratas, mas apoiou o ex-vice-presidente nos oito anos de seu mandato, depois que ele obteve a indicação do partido. Durante a convenção nacional do partido, em agosto, Obama chamou os eleitores a apoiar Biden. “Nossa democracia” está em jogo, advertiu.

34 milhões

Total de norte-americanos
que já votaram antecipadamente, de acordo com a organização indepdendente
Elections Project.

Destino da juíza agendado
O Senado dos Estados Unidos votará, na próxima segunda-feira, a confirmação da juiza Amy Coney Barrett para a Suprema Corte. O anúncio foi feito por Mitch McConnell, líder da maioria do Senado. “Acho que será outra conquista importante em nosso esforço para levar aos tribunais federais homens e mulheres que acreditam na singular noção de que, talvez, o trabalho de um juiz seja o de seguir a lei”, afirmou o senador republicano. Barrett, 48 anos, foi nomeada pelo presidente Trump para substituir a falecida juíza progressista Ruth Bader Ginsburg na mais alta instância do Judiciário.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação