IGREJA CATÓLICA

Saiba mais sobre o documentário em que o papa Francisco defende união civil gay

Em documentário sobre seu pontificado, Francisco disse que homossexuais são filhos de Deus e têm direito a uma família. Ele defendeu uma lei de convivência capaz de proteger essas pessoas. Teólogo vê postura corajosa, humanitária e polêmica

Rodrigo Craveiro
postado em 22/10/2020 06:00 / atualizado em 22/10/2020 11:52
 (crédito: AFP / Alberto PIZZOLI)
(crédito: AFP / Alberto PIZZOLI)

Foi a declaração mais incisiva e clara do papa Francisco sobre um tabu malvisto pela ala ultraconservadora da Igreja Católica. No documentário biográfico Francesco, do cineasta americano-russo Evgeny Afineevsky, apresentado ontem no Festival de Cinema de Roma, o pontífice argentino afirmou que as pessoas homossexuais devem ser protegidas por leis civis para casais do mesmo sexo. “As pessoas homossexuais têm o direito de estar em uma família, são filhos de Deus, possuem direito a uma família”, afirmou Francisco. “Não se pode expulsar ninguém de uma família, nem tornar sua vida impossível por isso. O que temos que fazer é uma lei de convivência civil, eles têm direito a estarem legalmente protegidos. Eu defendi isso”, acrescentou, ao se tornar o primeiro papa da história a avalizar as uniões civis entre pessoas LGBTQIA+.

Com duas horas de duração, o documentário de Afineevsky revisita os sete anos de pontificado e as viagens de Francisco. A obra ganhou o Prêmio Kineo da Humanidade, que celebra a promoção de questões sociais e humanitárias. Ontem, o diretor — indicado a um Oscar e a um Emmy, em 2016, por Winter of Fire — foi recebido pelo papa, no Vaticano, onde celebrou o 48º aniversário e ganhou um bolo do líder católico jesuíta. Em um dos momentos mais intensos do filme, o pontífice telefona para um casal gay, com três filhos pequenos, em resposta a uma carta enviada por eles, na qual descrevem a vergonha sentida por levarem as crianças à paróquia. Francisco responde, convidando-os a seguirem frequentado a Igreja, sem se importarem com os julgamentos alheios.

Emoção

O jornalista chileno Juan Carlos Cruz Chellew (leia Duas perguntas para), vítima de abusos cometidos pelo padre Fernando Karadima, na década de 1980, participa do documentário Francesco e contou ao Correio que se emocionou com o gesto do pontífice. “Temos conversado por dois anos. Eu o quero muito e o respeito bastante. O papa Francisco é um homem que não discrimina a ninguém, e isso me alegra muito. Quando fala sobre uniões civis, fala de proteção a pessoas que não devem ser discriminadas”, explicou Cruz. “Ele não está mudando a doutrina da Igreja, o catecismo, nem nada. O que ele defende é a proteção das pessoas, neste caso, da comunidade LGBTQIA+. Isso me parece muito bem e eu o apoio”, acrescentou o também ativista homossexual.

O teólogo e filósofo Fernando Altemeyer Jr. — chefe do Departamento de Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) — classificou de “importante” e “corajosa” a declaração de Francisco. “Ela está em plena consonância com o seu pensamento profundamente realista e em conexão com a Amoris laetitia, a exortação apostólica em que trata da moral sexual e familiar. De modo particular, mostra-se em consonância com os direitos civis, que precisam ser garantidos sob quaisquer circunstâncias. O pontificado de Jorge Mario Bergoglio, nesse sentido, leva em conta os grandes valores humanistas”, afirmou.

O especialista reconhece que a posição de Francisco é explicitamente humanitária e polêmica. Altemeyer prevê uma reação frontal da ala conservadora da Igreja Católica, especialmente dos episcopados mais tradicionais e integristas, como o polonês e o espanhol. “Os cardeais têm mais bom senso, salvo aqueles da ultradireita, principalmente os norte-americanos. Em geral, a posição é de acolhida”, acredita. “Eu resumiria tudo em: acolher cada pessoa como ela é, sem idealismos, sem recalques, sem opressão e sem julgamentos, a priori. Francisco pede a cada católico que acolha a outra pessoa na sua diversidade, na sua identidade, no seu valor como pessoa humana e como criatura de Deus. É uma chave que pode incomodar pessoas enquadradas, fundamentalistas e integristas”, concluiu.

A declaração de Francisco no documentário indica uma mudança de postura em relação à temática LGBTQIA+. Em maio de 2013, no livro On Heaven and Earth (“Sobre o céu e a Terra”), dois meses depois de ser eleito papa, Francisco afirmou que igualar, legalmente, as relações entre pessoas do mesmo sexo aos casamentos heterossexuais seriam “regressão antropológica”. Ele também afirmou que, se casais gays obtivessem permissão para adoções, “isso poderia afetar as crianças”. Em 29 de julho de 2013, durante voo de retorno do Brasil, onde participou da Jornada Mundial da Juventude, Francisco foi questionado por um repórter sobre a ordenação de padres gays. A resposta repercutiu na imprensa mundial: “Se alguém é gay, busca Deus e tem boa vontade, quem sou eu para julgá-lo?”.

» Duas perguntas para

Juan Carlos Cruz Chellew, jornalista chileno, vítima de abusos cometidos pelo padre Fernando Karadima. Também faz parte do documentário

Como foi o seu diálogo com o papa Francisco, quando o senhor disse a ele que é gay?
Conheci o papa Francisco há dois anos e estive com ele, por conta dos abusos cometidos pelo padre (Fernando) Karadima, no Chile. Eu contei a ele que era gay, mas também católico. Francisco me disse: “Deus o fez gay, ele o ama, você gosta de si mesmo, e o papa gosta de você”. Eu me dei conta que este homem segue rumo ao progresso, não discrimina as pessoas e quer o bem de todos. Ele trata de fazer o bem por toda a parte. Isso é o que está em uma parte do documentário, que mostra tudo o que tem feito o papa Francisco. É uma verdadeira maravilha. Eu me emociono muito. Há quase dois anos sigo em contato com o papa. Eu o quero muito bem e vejo como ele trata de solucionar as coisas. Às vezes, as pessoas que trabalham próximas a ele não o ajudam. Por isso, vejo um homem que, apesar de tudo, segue adiante, protegendo as pessoas.

O senhor acredita que Francisco possa ajudar a abrir os olhos do mundo para os direitos das pessoas LGBTQIA+?
Eu creio que há muito tempo o papa Francisco está abrindo os nossos olhos para considerarmos a comunidade LGBTQIA+. Ele não tem problema em acolher as pessoas na Igreja. Eu apenas sinto pena da linha mais dura da Igreja, a que se opõe a isso. Se algo faz parte de ser católico, é não discriminar, querer a todo mundo. Somos todos irmãos, somos todos iguais. É lamentável que haja uma parte dura da Igreja que rechace a outros seres humanos por terem nascido de alguma forma. Isso não pode ocorrer. Jesus queria a todo mundo. O papa Francisco cometeu erros, como todos, mas é um homem com um coração de ouro. Aprendi a ser um católico melhor graças a ele.

» Eu acho....

“A abertura de Francisco é sempre estratégica e ponderada. Ele é um bom jesuíta. Usa sempre de uma palavra que Ignácio de Loyola, o fundador dos jesuítas, colocou como critério de discernimento. Para Francisco, a oposição não leva a lugar nenhum. Não é um papa dialético, nem de confrontações. Ele sempre sugere a imagem do poliedro: várias perspectivas, que, conversando, chegam a um estágio superior. Creio que ele continuará, sim, a assumir as pessoas como elas são. Deus ama a cada qual como é, hetero, homossexual ou transexual. Isso, para Francisco e para a mora sexual da Igreja atual, em termos gerais, é um avanço." Fernando Altemeyer Jr., filósofo, teólogo e chefe do Departamento de Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Ministério pró-LGBTQIA+ celebra declaração

 (crédito: Giampiero Sposito/AFP)
crédito: Giampiero Sposito/AFP

Desde 1977, quando foi fundado pela freira Jeannine Gramick e pelo padre Robert Nugent, em Mount Rainier (Maryland), o New Ways Ministry (“Ministério Novos Caminhos”) acolhe católicos da comunidade LGBTQIA+ e lhes oferece justiça e reconciliação. A entidade recebe apoio de bispos, padres, freiras e teólogos. Em entrevista ao Correio, Francis DeBernardo, diretor-executivo do New Ways Ministry, disse ter ficado “muito feliz” e “surpreso” com o apoio do papa à união civil entre homossexuais. “Embora ele tenha afirmado várias coisas positivas sobre as pessoas LGBTQIA+ no passado, a questão dos relacionamentos sempre foi controversa. O papa teve coragem de fazer uma declaração positiva sobre o tema. Foi uma atitude muito corajosa por parte dele”, afirmou.

DeBernardo explica que todos os pontífices ditam o tom de debates não apenas dentro da Igreja Católica, mas na própria sociedade. “A mensagem positiva de Francisco ajudará as pessoas LGBTQIA+ a obterem o respeito e a conseguirem seus direitos. Muitas pessoas olham para o papa como se ele fosse um modelo. Se elas imitarem o seu exemplo de apoio aos casais gays e lésbicos, o mundo será um lugar muito melhor”, comentou.

De acordo com o diretor-executivo do New Ways Ministry, vários cardeais e bispos têm criticado o líder católico, especialmente em relação a temas ligados às pessoas LGBTQIA+. “No entanto, creio que eles representem uma minoria dentro da Igreja. Pelo menos 15 países tradicionalmente católicos têm uniões civis ou casamentos para lésbicas e gays. Isso mostra que os católicos apoiam essas relações”, afirmou DeBernardo. Entre as nações citadas por ele, estão: Argentina, Áustria, Bélgica, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Equador, Portugal e Espanha.

Em comunicado oficial, o New Ways Ministry também apontou que a declaração do papa terá efeito que irá além dos debates legais e das discussões eclesiásticas. “Não é exagero dizer que, com esta declaração, não somente o papa proteger casais LGBTQIA+ e suas famílias, como também salvará muitas vidas.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação