PERU

Merino assume país em crise

Em meio a protestos e a reações negativas do mercado financeiro, o chefe do Legislativo toma posse, horas após a destituição de Martín Vizcarra, com o compromisso de realizar novas eleições em abril e críticas à política de enfrentamento à covid-19

Correio Braziliense
postado em 10/11/2020 23:38


Um novo e breve capítulo da política do Peru foi aberto, ontem, num cenário de grande incerteza. Com o impeachment de Martín Vizcarra, destituído na véspera, o presidente do Congresso, Manuel Merino, assumiu o comando do país andino, em meio a protestos nas ruas e aos temores do mercado. Praticamente desconhecido dos peruanos, a despeito de chefiar o Legislativo, Merino deve permanecer no cargo até 28 de julho de 2021. Embora discreto, ele também tem seu nome ligado a escândalos.
Aos 59 anos, o político de centro direita é o terceiro presidente do Peru desde 2016, um reflexo da fragilidade institucional que caracteriza o país desde sua independência em 1821. “Juro por Deus, pela pátria e por todos os peruanos que exercerei fielmente”, declarou, ao receber a faixa presidencial, poucas horas depois da deposição de Vizcarra pelo Congresso, por “incapacidade moral”. Foi o segundo julgamento político contra ele em menos de dois meses.
Naquele momento, protestos se multiplicavam contra a destituição de Vizcarra nas ruas próximas à sede do Congresso, em Lima, com confrontos entre manifestantes e policiais, além de panelaços em vários bairros da capital. Iniciadas ainda na noite de segunda-feira, quando da aprovação do impeachment de Vizcarra, manifestações também foram organizadas em outras cidades, como Arequipa e Cusco.

Sucessão

“Nosso primeiro compromisso (...) é respeitar o processo eleitoral em curso. Ninguém pode mudar a data das eleições convocadas para 11 de abril de 2021”, asseverou Merino, já com a faixa presidencial bicolor no peito. No primeiro discurso perante o Congresso, ele prometeu “imparcialidade em todos os processos eleitorais”.
Manuel Merino também negou ter comprado votos para remover Vizcarra, pediu a unidade nacional e prometeu que deixará o cargo em 28 de julho de 2021, dia em que termina o atual mandato do governo.
Além disso, criticou a forma que o governo Vizcarra conduziu as ações de enfrentamento da pandemia. “É o país com a pior gestão da covid-19”, enfatizou. Com quase 33 milhões de habitantes, o Peru acumula 923 mil infecções e cerca de 35 mil mortes — é a segunda nação com a maior taxa de mortalidade do mundo pela doença em relação à sua população (105,9 por 100 mil habitantes), segundo Johns Hopkins University nos Estados Unidos, um centro de referência.
Encerrado o discurso, Merino seguiu para o palácio do governo, a poucos quarteirões do Congresso, onde recebeu honras de um batalhão de cavalaria do Exército. Nos oito meses de governo, a principal missão do legislador da região norte de Tumbes, na fronteira com o Equador, serão mesmo, de acordo com analistas, assegurar a transição democrática no bicentenário da independência peruana. Para isso, terá que desarmar resistências, tanto no campo político quanto econômico.
Ao longo de toda a carreira política, Manuel Merino integrou a Ação Popular (centro-direita), partido fundado pelo ex-presidente Fernando Belaúnde (1963-1968 e 1980-1985). No entanto, os líderes da legenda pareceram divididos sobre a conveniência de remover Vizcarra em meio à pandemia e recessão econômica, enquanto os mercados expressaram temor de que o Peru abandone a política de manutenção do equilíbrio macroeconômico.
“O Congresso vem adotando leis fortemente prejudiciais em termos econômicos”, ressaltou ex-ministro da Economia e Finanças Alonso Segura, explicando os temores do mercado. Ontem, a moeda peruana apresentou desvalorização próxima a 1% em relação ao dólar e em relação ao fechamento do dia anterior. Os títulos do governo em dólares também caíram.

Sem resistência

Vizcarra foi deposto com 105 votos — 18 além dos 87 exigidos. Dezenove parlamentares votaram contra o impeachment e quatro se abstiveram. O ex-presidente, também de centro-direita, mas sem partido ou bancada legislativa, descartou resistir à renúncia com recursos judiciais e deixou o palácio do governo para sua residência privada logo após a deliberação.
O Congresso tomou a decisão após denúncias de que Vizcarra teria recebido propina quando era governador da região sul de Moquegua em 2014. Ele nega as acusações. O julgamento foi uma espécie de repetição — mas com um desfecho diferente — de outro processo que o então presidente venceu em 18 de setembro.
“Saio do Palácio do Governo como entrei há dois anos e oito meses: de cabeça erguida”, declarou à imprensa, rodeado por seus ministros, no pátio da casa do Governo. “Estou saindo com a consciência limpa e com o dever cumprido”, acrescentou Vizcarra, que contou com níveis recordes de popularidade em seus 32 meses de mandato. Para o arcebispo de Lima, Carlos Castillo, faltou “senso de proporção” ao Congresso na decisão. “É algo muito sério”, observou.
A deposição de Vizcarra marca mais um momento da crise política peruana. Todos os ex-presidentes vivos do Peru, que governaram após o fim do regime militar, em 1980, enfrentam processos judiciais por corrupção. O antecessor, Pedro Pablo Kuczysnki (2016-2018), não conseguiu cumprir seu mandato por ter sido forçado a renunciar por pressão do Parlamento. Alan García cometeu suicídio, em Lima, aos 69 anos, antes de ser preso sob investigação por corrupção no caso Odebrecht, em abril do ano passado.
“O Peru sai institucionalmente mais fraco. Merino será um presidente fraco. Esse é o cenário em um contexto de eleições gerais (em abril de 2021) com uma pandemia”, disse o analista político Augusto Álvarez Rodrich. “É um fato político que abre portas para uma situação de incerteza”, enfatizou o analista Fernando Tuesta, em entrevista à emissora pública TV Peru, acrescentando: “É uma situação claramente preocupante para dizer o mínimo.”

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação