Eleição nos EUA

Trump abre ação judicial para tentar barrar formalização de resultado no Michigan

Os republicanos alegam que houve uma série de "irregularidades" nos votos por correio na região de Detroit e citam um defeito em um programa utilizado no condado de Antrim

Agência Estado
postado em 11/11/2020 14:35
 (crédito: BRENDAN SMIALOWSKI/AFP)
(crédito: BRENDAN SMIALOWSKI/AFP)
A campanha à reeleição do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, protocolou ação judicial para tentar impedir que o Michigan certifique os resultados da eleição presidencial. Os republicanos alegam que houve uma série de "irregularidades" nos votos por correio na região de Detroit e citam um defeito em um programa utilizado no condado de Antrim.
O candidato do Partido Democrata, Joe Biden, foi declarado pela imprensa americana como vencedor dos 16 delegados distribuídos no Estado.
Segundo a Associated Press, com 99% das cédulas apuradas, o ex-vice-presidente tinha 50,6% dos votos, ante 47,9% - uma diferença de cerca de 146 mil votos.
Embora Biden tenha sido declarado presidente eleito, Trump se recusa a aceitar a derrota, sob argumento de que a oposição cometeu fraudes.
Sem apresentar provas, o líder da Casa Branca tem repetido que vencerá o pleito e será reeleito. Na terça-feira, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, afirmou que os EUA farão "uma transição para o segundo mandato de Trump".
Nesta quarta, o secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger, determinou a recontagem manual de todos os votos nos 159 condados do Estado, onde Biden tem vantagem de 14 mil votos
Apesar do imbróglio, o democrata já teve conversas oficiais com vários chefes de Estado, entre eles o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, e o premiê britânico, Boris Johnson.
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação