Luto

Argentina "eternamente em dívida" com Maradona, diz presidente

"Para nós, Diego é tudo, a quadra se chama Maradona. Não sei se algum dia teremos um Diego novamente. Que sorte tivemos de tê-lo nessa época!", disse Alberto Fernández

Agência France-Presse
postado em 25/11/2020 16:38 / atualizado em 25/11/2020 16:39
 (crédito: NICOLAS TUCAT / AFP)
(crédito: NICOLAS TUCAT / AFP)

Argentina "estará eternamente em dívida" com Diego Maradona, cuja morte esta quarta-feira  na província de Buenos Aires por uma parada cardíaca gerou reações de consternação e dor. 

"Maradona só nos deu alegrias, estamos eternamente em dívida", disse o presidente Alberto Fernández, que decretou três dias de luto nacional e suspendeu suas atividades.

Maradona era "um homem absolutamente genuíno, que expressava tudo com a força com que jogava futebol", adicionou.

"É um dia muito triste para todos os argentinos, é uma pena ”, disse ao canal TyC Sports o presidente, torcedor do Argentinos Juniors, clube onde Maradona deu os primeiros passos como jogador.

"Para nós, Diego é tudo, a quadra se chama Maradona. Não sei se algum dia teremos um Diego novamente. Que sorte tivemos de tê-lo nessa época!", Disse.

Quanto à sua personalidade, considerou que deve ser lembrado “não só pelas qualidades técnicas mas pela coragem, força e garra que sempre teve. Um jogador excepcional”.

 


Maradona "será uma pessoa indelével na memória coletiva argentina. É um grande ídolo", resumiu o presidente Fernández.

"Duvido muito que o mundo volte a ter outro Maradona", disse ele.

“Muita tristeza ... Muita. Adeus Diego, nós te amamos muito. Um grande abraço à sua família e entes queridos”, escreveu a vice-presidente Cristina Fernández no Twitter.

Já o ex-presidente Mauricio Macri lamentou na mesma rede social “um dia muito triste para todos os torcedores do mundo, principalmente os argentinos”.

"As enormes alegrias que Diego nos deu serão indeléveis", acrescentou.

Também o ex-presidente boliviano Evo Morales, refugiado na Argentina até o mês passado, expressou sua dor. "Não é só o futebol mundial que chora por ele, também as pessoas do mundo todo", tuitou.

“Com uma dor na alma soube da morte de meu irmão, Diego Armando Maradona. Uma pessoa que se sentiu e lutou pelos humildes, o melhor jogador de futebol do mundo”, escreveu Morales da Bolívia ao despedir “um grande amigo de causas justas. "

Maradona morreu nesta quarta-feira, aos 60 anos, de "parada cardíaca" em sua casa em Tigre, 40 km ao norte de Buenos Aires, fato que lamenta e movimenta o esporte mundial, informou seu porta-voz Sebastián Sanchi.

Fernández não deu detalhes sobre a organização do velório e indicou que permanecerá nas mãos da família. “Todas as portas do Estado estão abertas para o Diego (...). Tudo o que a família pedir o Diego merece”

 

 

 

-

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE