Diplomacia

Londres e Bruxelas admitem pequena possibilidade de acordo pós-Brexit

O acordo de livre-comércio entre Reino Unido e União Europeia deve ser feito até o dia 31 de dezembro

Agência France-Presse
postado em 11/12/2020 13:12
 (crédito: Hollie Adams / AFP)
(crédito: Hollie Adams / AFP)

Reino Unido e União Europeia (UE) reconheceram nesta sexta-feira (11/12) como "provável" que não alcancem um acordo de livre-comércio para administrar as relações pós-Brexit após um período de transição, dentro de três semanas, abrindo caminho para uma ruptura brutal.

"Parece muito, muito provável que teremos que optar por um Brexit duro e sem acordo", disse Boris Johnson à imprensa britânica.

Defensor do Brexit a qualquer custo desde o histórico referendo de 2016 sobre a UE, o chefe de Governo conservador tentou, no entanto, minimizar as potenciais consequências: "Acho que seria maravilhoso para o Reino Unido e que poderíamos fazer exatamente o que queremos a partir de 1º de janeiro".

"Mas seria diferente do que havíamos proposto alcançar", admitiu Boris, enquanto em Bruxelas equipes da UE e do Reino Unido prosseguiam os contatos, com os olhares voltados para domingo (13/12), dia em que as partes estabeleceram como prazo para definir se as negociações continuam, ou se tudo chegará ao fim.

Na quinta-feira, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, admitiu que há "mais probabilidades" de que não aconteça um acordo, ao apresentar aos governantes dos 27 países da UE um panorama das negociações.

De acordo com fontes diplomáticas, Von der Leyen poderia ter uma nova conversa com Johnson no sábado (12/12).

Os dois responsáveis já conversaram por telefone na segunda-feira, dia em que o primeiro-ministro britânico soliticou também uma conversa com a chanceler alemã Angela Merkel e com o presidente francês Emmanuel Macron, à qual os dois negaram.

"Falamos com uma só voz", disse o presidente do Conselho Europeu Charles Michel, para explicar essa rejeição.

O Reino Unido abandonou oficialmente a UE em 31 de janeiro. Desde então, as duas partes se encontram em um período de transição, que acabará em 31 de dezembro. Nesta data, Londres sairá de maneira definitiva do mercado único e da união alfandegária.

O período de transição foi estabelecido justamente para que Londres e Bruxelas conseguissem negociar um acordo sobre como funcionaria a futura relação comercial.

As negociações estão bloqueadas por posições divergentes em três temas: o acesso europeu às zonas de pesca britânicas, normas de concorrência para acesso ao mercado único e a gestão legal da futura relação, em especial o mecanismo de solução de controvérsias.

Von der Leyen explicou aos líderes europeus que o acesso ao mercado único exige precondições.

"É justo que os concorrentes das nossas próprias empresas enfrentem as mesmas condições no nosso mercado", afirmou, segundo fontes diplomáticas.

Reconhecendo que o clima agora tende a uma ruptura sem acordo, o primeiro-ministro irlandês Micheál Martin lembrou que "foram feitos comentários semelhantes há mais de um ano sobre o tratado de retirada" e no fim houve acordo.

Sem um acordo, a partir de 1º de janeiro as relações comerciais entre Reino Unido e UE serão administradas pelas normas da Organização Mundial do Comércio (OMC), um cenário de consequências econômicas imprevisíveis que inclui tarifas e cotas.

Apesar das declarações, os ministros das Relações Exteriores da Alemanha e da Irlanda expressaram que ainda têm esperança em um acordo.

"Acreditamos que um acordo é difícil, mas ainda é possível", disse o ministro alemão Heiko Maas, enquanto o irlandês Simon Coveney completou: "É possível alcançar um acordo sobre a relação futura e um acordo comercial".

Preparados para o impacto

Em consequência das declarações das últimas horas, a libra esterlina voltou a registrar queda nesta sexta-feira, pelo segundo dia consecutivo, com desvalorização de 1%, a 1,3150 dólar por libra.

O Banco da Inglaterra (BoE) tentou apaziguar os mercados com uma mensagem de calma, assegurando que o sistema financeiro britânico tem as condições para resistir aos efeitos do Brexit.

O Comitê de Política Financeira (CPE) do BoE afirmou que o sistema bancário do Reino Unido é capaz de enfrentar uma "ampla gama de possíveis cenários econômicos".

Mesmo em caso de deterioração significativa, o sistema tem "a capacidade de seguir (emprestando) às empresas e famílias", completou.

O Reino Unido é um dos países mais afetados pela pandemia de covid-19, com o maior número de mortes na Europa (63.000) e uma contração econômica que deve superar 11% este ano, a pior crise em mais de 300 anos.

Neste cenário, o impacto econômico de uma ruptura brutal com a UE poderia ser devastador.

A Comissão Europeia apresentou na quinta-feira um plano de emergência que engloba os direitos de pesca e para proteger o transporte aéreo e terrestre, antecipando-se a uma ruptura sem acordo.

"Nossa responsabilidade é estarmos preparados para todas as eventualidades, incluindo não ter um acordo com o Reino Unido em 1º de janeiro. Por isto, apresentamos estas medidas", alegou Von der Leyen

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE