Crime

Cerca de 100 trabalhadores são presos após saquearem loja de Iphone na Índia

Os trabalhadores afirmaram que a rebelião ocorreu por estarem sem receber os salários há cerca de quatro meses

Agência France Presse
postado em 13/12/2020 13:31
 (crédito: MANJUNATH KIRAN / AFP)
(crédito: MANJUNATH KIRAN / AFP)

Cerca de cem pessoas foram presas após o saque de uma fábrica de iPhone no sul da Índia, onde os trabalhadores afirmam que não recebem seus salários há quatro meses e que foram explorados.

A rebelião ocorreu no sábado na fábrica do grupo taiwanês Wistron Infocomm Manufacturing, localizada nos subúrbios de Bangalore.

Imagens filmadas no local mostraram janelas quebradas e carros capotados. Câmeras de videovigilância, lâmpadas e ventiladores também foram destruídos, assim como um carro foi incendiado.

A mídia local informou que os funcionários reclamaram que não recebiam seus salários há quatro meses e eram obrigados a fazer horas extras.

"A situação está agora sob controle. Equipes especiais foram enviadas para investigar o incidente", disse a polícia local à AFP no domingo, acrescentando que não houve feridos.

O vice-primeiro-ministro do estado de Karnataka, C.N. Ashwathnarayan denunciou estes atos como "violência gratuita", acrescentando que seu governo garantirá que se espalhe "sem demora" luz sobre o assunto.

“Vamos nos certificar de que os direitos dos trabalhadores sejam respeitados e todo o dinheiro devido seja pago a eles”, disse.

Um líder sindical local denunciou a "exploração brutal" a que estão submetidos os operários.

“O governo do estado permitiu que a empresa não respeitasse os direitos fundamentais” dos empregados, disse o sindicalista Satyanand (que usa apenas um nome) ao jornal The Hindu.

O grupo Wistron não quis comentar os eventos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE