MUNDO

União Europeia pede suspensão de bloqueio ao Reino Unido

França atende a apelo de órgão executivo do bloco e autorizará, a partir de hoje, reabertura de fronteira com o Reino Unido. Cientista britânico envolvido no sequenciamento do genoma do coronavírus vê motivos para preocupação com a nova cepa

Rodrigo Craveiro
postado em 23/12/2020 06:00
 (crédito: AFP / William EDWARDS)
(crédito: AFP / William EDWARDS)

A Comissão Europeia — órgão executivo da União Europeia (UE) — recomendou que os 27 países-membros do bloco facilitem as viagens essenciais para o Reino Unido, bem como o trânsito de passageiros no território britânico, apesar do avanço da nova cepa do coronavírus. “Antes as atuais incertezas e à luz do princípio da precaução, os Estados-membros deveriam tomar medidas coordenadas para desencorajar viagens não essenciais entre o Reino Unido e a UE. Ao mesmo tempo, a proibição de viagens não deveria impedir milhares de cidadãos britânicos e da UE de retornarem para suas casas”, afirmou Didier Reynders, comissário para a Justiça. A comissária para Transporte, Adina Valean, considerou que é preciso “manter intacta a cadeia de suprimentos”.

A França atendeu ao apelo e anunciou que vai autorizar, a partir de hoje, o regresso do Reino Unido de pessoas que residam na França ou no espaço europeu, ou sempre que “necessitarem fazer deslocamentos essenciais”. A condição é que elas apresentem teste negativo para a covid-19 feito com menos de 72 horas. A medida vale para os motoristas de 2.800 caminhões retidos na rodovia que liga Londres a Dover, o principal porto britânico do Canal da Mancha, e em um antigo aeroporto da região do sul da Inglaterra.

“Aviões, navios e (trens de alta velocidade) Eurostars retomarão os seus serviços amanhã (hoje). Cidadãos franceses, residentes na França e aqueles que tenham uma razão legítima (para viagem) deverão apresentar o teste negativo”, declarou o ministro dos Transportes da França, Jean-Baptiste Djebbari. O homólogo britânico, Grant Shapps, confirmou que Londres e Paris chegaram a um acordo sobre as fronteiras e pediu que os caminhoneiros não se dirijam à Cantuária, nos arredores de Dover. Várias nações da Europa e de outros continentes interromperam as viagens aéreas, ferroviárias ou marítimas com o Reino Unido.

A Alemanha prolongou até 6 de janeiro o fechamento das fronteiras a pessoas procedentes do Reino Unido. Ontem, autoridades sanitárias de Bruxelas anunciaram que quatro casos de infecção pela nova variante do Sars-CoV-2 foram detectados na Bélgica no começo de dezembro. “É pouco, mas não é impossível que haja mais”, disse à agência France-Presse o infectologista Yves Van Laethem, porta-voz do combate à pandemia na Bélgica. “Como muitos países, não rastreamos tantas cepas quanto os ingleses, que fazem um trabalho enorme nesse nível.”

Geneticista

Em entrevista ao Correio, o geneticista britânico Jeffrey Barrett — diretor da Iniciativa Covid Gemonics do Instituto Wellcome Sanger (uma força-tarefa para decifrar o genoma do Sars-CoV-2), em Hinxton (Reino Unido) — afirmou que há três razões para se preocupar em relação à nova cepa. “Em primeiro lugar, ela tem se espalhado muito rapidamente, no momento em que já há um grande número de casos no Reino Unido. As análises estatísticas sugerem que a nova variante se espalha mais rapidamente do que as anteriores. Em segundo lugar, nós detectamos 23 novas mutações nesta cepa, o que é bastante incomum. Todos os vírus, inclusive o Sars-CoV-2, se modificam, mas ver tantas mutações surgirem em um mesmo período é muito raro”, relatou. “Em terceiro lugar, algumas dessas mutações afetam a biologia do próprio coronavírus.” Até que as vacinas sejam distribuídas em todo o mundo, o estudioso recomenda que todas as medidas de prevenção sejam reforçadas e seguidas à risca.

Especialista em saúde global da Faculdade de Medicina da Universidade de Southampton, o britânico Michael Head considera “totalmente razoável” a resposta de parte da comunidade internacional ao surgimento da nova cepa no Reino Unido. “Quando países registram alta carga da doença e ante o desenvolvimento de variante viral, eles têm de implementar medidas, como quarentenas ou proibição de viagens, com exceção daquelas consideradas sociais. Isso é o que vamos agora”, explicou à reportagem. “Os voos internacionais são o que causou a propagação do coronavírus ao redor do mundo tão rapidamente. Portanto, as restrições ao movimento populacional serão úteis para suprimir a transmissão contínua através das fronteiras internacionais.”

Portas abertas sobre o Brexit

O negociador europeu para o Brexit, Michel Barnier, afirmou que a União Europeia (UE) está disposta a negociar “até o fim do ano e além, se for necessário”, um acordo pós-Brexit com o Reino Unido, a menos de dez dias da ruptura definitiva. Segundo várias fontes europeias, o negociador também reconheceu, durante um encontro com os embaixadores dos Estados-membros da UE, que rejeitou uma oferta recente de Londres sobre a pesca. Este tema continua sendo o principal ponto de bloqueio entre as partes.

Pontos de vista

Por Jeffrey Barrett

Cautela e cuidados

“Temos feito alguns experimentos para determinar se a nova cepa do Sars-CoV-2 pode infectar as células humanas mais facilmente. Enquanto isso, creio ser apropriado agir de modo cauteloso. Penso que as restrições introduzidas pelo governo britânico são apropriadas. Em resposta à nova variante, todas as mesmas medidas são ainda mais importantes: distanciamento social de pelo menos dois metros, uso de máscara, evitar contatos prolongados em ambientes fechados." Diretor da Iniciativa Covid Gemonics do Instituto Wellcome Sanger (em Hinxton, Reino Unido).

 Por Michael Head

Proteção em até um ano

“As principais medidas para reduzir a transmissão da covid-19 incluem manter as boas práticas usuais, como lavar as mãos com frequência, usar máscara e respeitar um bom distanciamento social. Temos vacinas que começam a ser distribuídas aqui no Reino Unido e em outros países. No entanto, levará de seis meses a um ano até que a população britânica esteja totalmente protegida. Portanto, precisamos continuar com as medidas de supressão da transmissão nesse meio tempo.". Especialista em saúde global da Faculdade de Medicina da Universidade de Southampton.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE