$url = ($site['cd_site'] != 2) ? $site['ds_poral_url'] . $site['ds_site_link'] : 'https://www.correiobraziliense.com.br'; ?> Irã inicia processo para produzir urânio enriquecido a 20%
Energia nuclear

Irã inicia processo para produzir urânio enriquecido a 20%

"O processo para produzir urânio enriquecido a 20% começou no complexo de Shahid Alimohammadi (Fordo)", situado 180 quilômetros ao sul de Teerã, afirmou o porta-voz do governo, Ali Rabiei

Agência France-Presse
postado em 04/01/2021 13:46
Uma foto de arquivo divulgada pela Organização de Energia Atômica do Irã em 6 de novembro de 2019 mostra o interior da Instalação de Conversão de Urânio de Fordow (Fordo) em Qom, no norte do país.  -  (crédito: Organização de Energia Atômica do Irã / AFP)
Uma foto de arquivo divulgada pela Organização de Energia Atômica do Irã em 6 de novembro de 2019 mostra o interior da Instalação de Conversão de Urânio de Fordow (Fordo) em Qom, no norte do país. - (crédito: Organização de Energia Atômica do Irã / AFP)

O Irã iniciou nesta segunda-feira (4/01) o processo para produzir urânio enriquecido a 20% na central subterrânea de Fordo, sua principal medida para desvincular-se do acordo internacional de 2015 que limita seu programa nuclear.

A partir de maio de 2019, um ano após a saída unilateral dos Estados Unidos do acordo e da retomada das sanções contra o Irã, Teerã começou a se liberar dos principais compromissos adotados no acordo de Viena, incluindo o limite do nível de enriquecimento de urânio.

Acusado por vários países ocidentais e Israel, seu grande inimigo, o Irã sempre negou a tentativa de desenvolver armamento atômico.

"O processo para produzir urânio enriquecido a 20% começou no complexo de Shahid Alimohammadi (Fordo)", situado 180 quilômetros ao sul de Teerã, afirmou o porta-voz do governo, Ali Rabiei, citado no site da televisão estatal.

O presidente iraniano Hassan Rohani deu a ordem nos "últimos dias e o processo de injeção de gás começou há algumas horas", completou.

"Obrigado" a implementar a lei

Em uma carta com data de 31 de dezembro, o Irã informou a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) sobre sua vontade de produzir urânio enriquecido a 20%, o nível anterior à assinatura do acordo internacional assinado em Viena em 2015, longe do 90% necessário para um uso militar.

Nesta segunda-feira, a AIEA confirmou o anúncio de Teerã. "O diretor-geral, Rafael Mariano Grossi, informou aos Estados-membros da AIEA que o Irã começou a alimentar de urânio já enriquecido a 4,1% seis cascatas de centríguas (...) com o objetivo de aumentar para 20%", disse o órgão da ONU em uma declaração transmitida à AFP.

De acordo com o último relatório disponível da agência da ONU, publicado em novembro, Teerã enriquecia urânio a um grau de pureza superior ao limite previsto pelo acordo internacional de 2015 sobre seu programa nuclear (3,67%), mas não superava a barreira de 4,5%, e continuava cumprindo o regime estrito de inspeções do organismo.

Mas após o assassinato no fim de novembro do físico nuclear iraniano Mohsen Fakhrizadeh, um ataque que o Irã atribui a Israel, o Parlamento iraniano aprovou uma polêmica lei que defende a produção e o armazenamento de ao menos "120 kg ao ano de urânio enriquecido a 20%" e "acabar" com as inspeções da AIEA sobre as atividades nucleares iranianas.

O governo do presidente Rohani se declarou contrário à iniciativa. Nesta segunda-feira, Rabii explicou que a posição do governo sobre a lei não mudou, "mas se vê obrigado a implementá-la".

O pacto de 2015 foi alcançado após anos de duras negociações entro o Irã e os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (Reino Unido, China, França, Rússia, Estados Unidos), além da Alemanha.

"Sérias consequências"

A União Europeia (UE) advertiu que o início do enriquecimento de urânio a 20% constituiria um "desvio considerável" dos compromissos assumidos por Teerã no acordo de 2015.

"Não é preciso dramatizar. O programa nuclear continua sendo totalmente transparente e verificável. Devemos nos concentrar na maneira de restabelecer a aplicação global do acordo", afirmou por sua vez o embaixador russo na AIEA, Mijaíl Ulyanov.

Peter Stano, um porta-voz da UE, disse que as autoridades europeias esperam uma posição formal da AIEA antes de definir eventuais medidas.

Stano afirmou que, se o enriquecimento a 20% for confirmado, o gesto terá "sérias implicações para a não proliferação nuclear".

Em Israel, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu afirmou que a decisão do Irã demonstra que o país está tentando construir armas nucleares, apesar de negar.

Netanyahu declarou, em um comunicado, que a medida "não pode ser explicada de nenhuma outra maneira, exceto como a realização contínua de sua intenção de desenvolver um programa nuclear militar".

"Israel não permitirá que o Irã fabrique armas nucleares", completou.

Considerado o único país com armas nucleares no Oriente Médio, Israel acusa o Irã de tentar criar o próprio arsenal nuclear e de querer destruir o Estado hebreu.

Além disso, o Guarda Revolucionária do Irã anunciou nesta segunda-feira que capturou um petroleiro de bandeira sul-coreana nas águas do Golfo, onde navios americanos estão mobilizados. A Coreia do Sul exigiu a liberação do navio.

Diante do que apresentou como "ameaças" iranianas, o Pentágono afirmou que decidiu finalmente deixar o porta-aviões "USS Nimitz" no Golfo.

Os eventos acontecem a duas semanas do fim do mandato de Donald Trump, que exerceu uma campanha de "pressão máxima contra o Irã", aumentando as tensões entre ambas as partes com sabotagens, ataques e capturas de navios e drones no Golfo.

Com a posse do presidente eleito Joe Biden, muitos apostam em uma situação que permita o resgate do acordo nuclear.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE