SAÚDE

Argentina proíbe circulação noturna por três semanas devido a alta da covid-19

O presidente do país, Alberto Fernández é um dos infectados pelo vírus

Agência France-Presse
postado em 07/04/2021 19:32
 (crédito: ESTEBAN COLLAZO / Argentina's Presidency Press Office / AFP)
(crédito: ESTEBAN COLLAZO / Argentina's Presidency Press Office / AFP)

A circulação noturna será proibida na Argentina a partir da próxima sexta-feira pelas próximas três semanas, medida que se aplica pela primeira vez no país em função do aumento exponencial dos casos de covid-19, anunciou o presidente argentino, Alberto Fernández, nesta quarta-feira (7/4).

“A circulação estará proibida entre 00h00 e 06h00 da manhã de cada dia. Dependendo das jurisdições, as autoridades só podem prorrogar esse horário em função das especificidades de cada local”, informou Fernández em mensagem gravada da residência oficial de Olivos, onde o presidente encontra-se isolado por estar infectado com a covid-19.

Presidente infectado

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, anunciou no último sábado (4/4), por meio de sua conta no Twitter, que testou positivo para a covid-19. Fernández já havia sido vacinado com a vacina russa Sputnik V.

"No fim do dia de hoje, após ter registrado febre de 37,3 graus e uma leve dor de cabeça, fiz um teste de antígeno cujo resultado foi positivo. Aguardo a confirmação pelo teste PCR, mas já me encontro isolado, cumprindo o protocolo vigente e seguindo as orientações do meu médico", disse Fernández pelo Twitter.

No dia 21 de janeiro, o presidente argentino postou no Twitter uma foto sua na qual aparecia recebendo a vacina Sputnik V.

Na postagem, Fernández informou também que entrou em contato com as pessoas com as quais havia se reunido nas últimas 48 horas para avaliar se seria necessário que também ficassem em isolamento.

"Estou bem fisicamente e, ainda que quisesse ter terminado o dia do meu aniversário sem esta notícia, também encontro-me bem de ânimo", continuou o presidente no Twitter hoje. Ele pediu ainda que os cidadãos mantenham os cuidados ante a pandemia.

"Devemos ficar muito atentos. Peço a todos e todas que se preservem e sigam as recomendações vigentes. É evidente que a pandemia não passou e devemos continuar nos cuidando", afirmou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE