CORRIDA ESPACIAL

Elon Musk e Jeff Bezos travam embate bilionário pela supremacia no espaço

Os dois empresários duelam nos bastidores e na justiça por contratos com a Nasa e com as Forças Armadas dos EUA

Correio Braziliense
postado em 03/05/2021 06:00
 (crédito: Bruce Weaver/AFP - 28/6/15)
(crédito: Bruce Weaver/AFP - 28/6/15)

Em busca da conquista do espaço, os bilionários Elon Musk e Jeff Bezos travam uma batalha implacável e repleta de golpes baixos. Na noite da segunda-feira passada, Elon Musk publicou um tuíte particularmente sugestivo e com conotação sexual sobre um projeto de Jeff Bezos para desenvolver um dispositivo de pouso na Lua para a Nasa, que acabou escolhendo a SpaceX, divisão espacial de Musk.

“É mais do que uma batalha pelo espaço”, disse Dan Ives, analista da empresa. “É uma batalha de egos”. É “algo pessoal” entre os dois homens, que inauguraram as respectivas empresas espaciais no início dos anos 2000, e estão no topo do ranking das grandes fortunas. Jeff Bezos, de 57 anos, é o homem mais rico do mundo, com US$ 202 bilhões, enquanto Elon Musk, 48, dono da Tesla e SpaceX, ocupa o terceiro lugar com US$ 167 bilhões, de acordo com a Forbes.

O desenvolvimento de projetos espaciais acontece por meio de contratos públicos bem-sucedidos, propostos principalmente pela Nasa e pelas Forças Armadas dos Estados Unidos, o que permite a estas empresas dispor de orçamentos consideráveis para desenvolver programas com fins comerciais.

Nesse aspecto, Elon Musk tem hoje uma clara vantagem. A SpaceX, com a rede Starlink, colocou centenas de satélites em órbita com equipamento próprio. Jeff Bezos, que planeja investir US$ 10 bilhões na constelação de satélites Kuiper, ainda não lançou nenhum dispositivo após ter sofrido atrasos no desenvolvimento do primeiro foguete.

A divisão Azure da Microsoft, especialista em computação remota, juntou-se à SpaceX no final de 2020 em um projeto de US$ 10 bilhões, após uma licitação do Pentágono vencida contra a Amazon, a gigante fundada por Bezos. “A SpaceX adquiriu um certo grau de confiança com a Nasa”, observa Xavier Pasco, diretor da Foundation for Strategic Research.

Tribunais


Assim, a empresa de Elon Musk garante o abastecimento regular da Estação Espacial Internacional (ISS) desde 2012 e transporta astronautas da Nasa e de outras agências. “O simples fato de a SpaceX ser certificada para enviar astronautas é uma etapa muito importante”, diz Pasco. “A Blue Origin (empresa fundada por Bezos) não tem essa confiança, pois não está operacional”, continua o especialista. Isso enfurece Bezos, forçado a questionar na justiça várias decisões.

Além da batalha dos egos, existe também o embate financeiro. “Bezos e Musk sabem que o vencedor da próxima batalha espacial será coroado em um ou dois anos”, diz Dan Ives. E o retorno financeiro desse enorme mercado realmente começará em 15 a 20 anos e pode chegar a várias centenas de bilhões de dólares, explica.

US$ 369
BILHÕES

Soma estimada das fortunas acumuladas por Musk e Bezos


Astronautas da ISS retornam à Terra

A cápsula Crew Dragon da empresa SpaceX, que transportava quatro astronautas de volta à Terra, amerissou na madrugada de ontem nas costas da Flórida, após uma missão de 160 dias no espaço. A cápsula pousou às 2h56 (3h56 de Brasília) sobre as águas no Golfo do México, na costa de Panama City, sudeste dos Estados Unidos, depois de um voo de seis horas e meia a partir da Estação Espacial Internacional (ISS).

As equipes do navio Go Navigator recuperaram a cápsula e a içaram quase meia hora depois, na primeira amerissagem noturna da Nasa, desde a da tripulação do Apollo 8 no Oceano Pacífico em 27 de dezembro de 1968.

O comandante Michael Hopkins foi o primeiro a sair, seguido pouco depois pelo compatriota americano Victor Glover. Eles retornaram à Terra com a americana Shannon Walker e o japonês Soichi Noguchi.

Os quatro astronautas foram, em novembro, os primeiros de uma missão operacional transportados até a ISS pela empresa espacial de Elon Musk, que se tornou um parceiro crucial da Nasa.

Outros dois americanos viajaram e retornaram a bordo da Dragon em 2020, durante uma missão de teste de dois meses na estação. Foi o primeiro voo rumo à ISS com lançamento a partir dos Estados Unidos desde o fim do programa dos ônibus espaciais em 2011, e o primeiro de uma empresa privada com astronautas a bordo.

O retorno da tripulação Crew-1 aconteceu após a chegada a bordo da ISS, na semana passada, da segunda missão regular, a Crew-2, transportada pela empresa americana. A Crew-1 permaneceu 168 dias no espaço. “O tempo passou voando, de verdade”, comentou Victor Glover.

Além dos quatro astronautas da Crew-2, permanecem na Estação Espacial Internacional outro astronauta americano e dois russos, que chegaram à estação em um foguete Soyuz.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE