Terceiro pré-candidato presidencial da oposição é preso na Nicarágua

Félix Maradiaga é detido e Estados Unidos chamam atual presidente, Daniel Ortega, de "ditator"

Agência France-Presse
postado em 08/06/2021 19:42
 (crédito: INTI OCON / AFP)
(crédito: INTI OCON / AFP)

O pré-candidato à Presidência da Nicarágua Félix Maradiaga foi detido nesta terça-feira (8) após comparecer ao Ministério Público, que iniciou uma investigação contra ele por atos contra a soberania, terrorismo e por aplaudir sanções, informou a Procuradoria.


A Polícia Nacional detalhou que Maradiaga "está sendo investigado por praticar atos que atentam contra a independência, a soberania e a autodeterminação, incitar a ingerência estrangeira nos assuntos internos e pedir intervenções militares", afirmou a entidade em outro comunicado da Procuradoria.


Ele também é acusado de "organizar-se com financiamento de potências estrangeiras para realizar atos de terrorismo e desestabilização", acrescentou a polícia.


Após a prisão do terceiro aspirante da oposição à Presidência nicaraguense em 10 dias, os Estados Unidos reagiram chamando o atual presidente Daniel Ortega de "ditador".


Essa detenção "deve resolver qualquer dúvida remanescente sobre as credenciais de Ortega como ditador", disse no Twitter a chefe da diplomacia norte-americana para as Américas, Julie Chung. "A comunidade internacional não tem escolha a não ser tratá-lo como tal."


As acusações atribuídas a Maradiaga estão contempladas na Lei de Defesa dos Direitos do Povo, da Soberania e de Agentes Estrangeiros, aprovada em dezembro.


Além das denúncias feitas pela polícia, a Procuradoria investiga Maradiaga por descumprir "gravemente" e "desvirtuar" as finalidades e objetivos do Instituto de Estudos Estratégicos e Políticas Públicas (IEEPP).


Essa ONG foi encerrada no final de 2018 pelo Parlamento, junto com outras organizações críticas ao governo.


Maradiaga, de 44 anos, é o terceiro pré-candidato a ser detido no contexto das eleições programadas para 7 de novembro, após a prisão da jornalista Cristiana Chamorro e do ex-diplomata Arturo Cruz.

 
© Agence France-Presse

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE