Reunião de cúpula

China acusa G7 de "manipulação" após críticas sobre Xinjiang e Hong Kong

O G7 criticou a China por não respeitar direitos humanos das minorias que vivem na região de Xinjiang e dos ativistas pró-democracia em Hong Kong. Embaixada da China no Reino Unido classificou acusações de interferência

Agência France-Presse
postado em 14/06/2021 07:37
 (crédito:  AFP / Nicholas Kamm)
(crédito: AFP / Nicholas Kamm)

Pequim, China - A China acusou nesta segunda-feira (14/6) o G7 de "manipulações políticas" após as críticas do grupo a Pequim sobre os direitos humanos em Hong Kong e em Xinjiang, onde reside a minoria uigur.

Em um comunicado publicado ao fim da reunião de cúpula de três dias na Inglaterra, os líderes do G7 criticaram a China por abusos em termos de direitos humanos sobre as minorias que vivem na região de Xinjiang e os ativistas pró-democracia em Hong Kong.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pediu a Pequim que "comece a agir de maneira mais responsável a respeito das regras internacionais sobre os direitos humanos".

A embaixada da China no Reino Unido reagiu às declarações e acusou o G7 de "interferência". "O G7 se aproveita das questões relacionadas com Xinjiang para fazer manipulações políticas e interferir nos assuntos internos da China, aos quais nos opomos com firmeza", afirmou o porta-voz da embaixada em um comunicado. Segundo o texto, o G7 é fonte de "mentiras, boatos e acusações sem fundamento".

Grupos de defesa dos direitos humanos acusam a China de enviar mais de um milhão de uigures e outras minorias a campos de reeducação em Xinjiang. Pequim nega e afirma que os locais são centros de formação profissional destinados a manter estas pessoas afastadas do terrorismo e do separatismo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE