Violência

Quatro opositores à junta de Mianmar morrem em confronto com polícia

Além dos quatro mortos, oito pessoas foram detidas com minas artesanais, granadas e armas leves. Membros das forças de segurança ficaram feridos

Agência France-Presse
postado em 22/06/2021 08:04
 (crédito: STR / AFP)
(crédito: STR / AFP)

Yangon, Mianmar - Quatro oponentes da junta militar foram mortos na terça-feira (22/6), e vários membros das forças de segurança ficaram feridos em Miammar, em um contexto de alta tensão desde o golpe de 1º de fevereiro que derrubou Aung San Suu Kyi.

Os confrontos começaram durante uma operação do Exército e da polícia em uma casa em Mandalay, a segunda maior cidade do país. Quatro "terroristas" morreram, e oito foram detidos em posse de minas artesanais, granadas e armas leves, disse o conselho em um comunicado. "Membros das forças de segurança ficaram gravemente feridos", acrescentou.

Desde o golpe, que pôs fim a um período democrático de dez anos, Mianmar tem sido palco de manifestações, greves gerais que paralisaram a economia e confrontos cada vez mais importantes e letais entre o Exército e grupos étnicos rebeldes.

As forças de segurança reprimem à força a mobilização pró-democracia, e mais de 870 civis foram mortos, incluindo crianças, segundo a Associação de Ajuda aos Presos Políticos (AAPP). Mais de 5.000 pessoas foram presas, e as ONGs denunciaram casos de execuções extrajudiciais, tortura e violência contra as mulheres.

Essa violenta repressão levou muitos oponentes da junta a formar uma "Força de Defesa do Povo" (PDF), composta por civis que enfrentam as forças de segurança com armas caseiras. Mas essas milícias dificilmente podem rivalizar com o Exército e seus poderosos recursos.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE