Comércio

China denuncia Austrália à OMC por concorrência desleal

China reclamou para a OMC de impostos cobrados pela Austrália em cima de exportações de turbinas eólicas. Para os chineses, isso impede a livre concorrência

Agência France-Presse
postado em 24/06/2021 07:54 / atualizado em 24/06/2021 07:55
Scott Morrison, primeiro-ministro australiano -  (crédito: Thomas SAMSON / AFP)
Scott Morrison, primeiro-ministro australiano - (crédito: Thomas SAMSON / AFP)

Pequim, China - A China anunciou nesta quinta-feira (24/6) que denunciou a Austrália à Organização Mundial do Comércio (OMC) pelas tarifas que o país aplica às exportações chinesas de turbinas eólicas e outros produtos, o que afetaria a livre concorrência.

O anúncio acontece menos de uma semana depois da apresentação da demanda australiana à OMC pelas taxas excessivas que a China impõe ao vinho produzido no país.

Além dos impostos sobre as turbinas eólicas, o ministério chinês do Comércio também critica as medidas australianas contra suas exportações de rodas de trens e pias de metal, adotadas respectivamente em 2019 e 2020, anunciou o porta-voz Gao Feng.

Os dois países estão em uma disputa há um ano, desde os pedidos da Austrália por uma investigação sobre a origem da pandemia de coronavírus, que começou na China no fim de 2019.

A China determinou sanções econômicas para uma série de produtos australianos, incluindo tarifas a produtos agrícolas, carvão ou vinhos (direitos alfandegários de até 218% que foram aplicados em novembro de 2020).

A Austrália era até então o principal exportador de vinhos para a China. O governo australiano já havia denunciado a China à OMC pelas tarifas à cevada do país. O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, advertiu que seu governo responderá com força aos países que tentam utilizar a "coação econômica" contra a Austrália.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE