Religião

Vaticano investiga um assessor de João Paulo II por encobrir abusos

O cardeal Stanislaw Dziwisz teria encoberto abusos cometidos por outros religiosos

Agência France-Presse
postado em 26/06/2021 14:51
 (crédito: ANDREAS SOLARO / AFP)
(crédito: ANDREAS SOLARO / AFP)

Varsóvia, Polônia - O Vaticano informou neste sábado (26/6) que está investigando um influente assessor do falecido Papa João Paulo II, o cardeal Stanislaw Dziwisz, após acusações de encobrir abusos.

A Nunciatura Apostólica na Polônia indicou que a Santa Sé enviou o cardeal italiano Angelo Bagnasco à Polônia de 17 a 26 de junho para investigar o assunto. O objetivo da visita foi "verificar os relatos, inclusive os que foram divulgados, de negligência por parte do Cardeal Stanislaw Dziwisz durante o mandato como Arcebispo de Cracóvia (2005-2016)", disse em um comunicado a Nunciatura (embaixada do Vaticano).

Dziwisz, atualmente com 82 anos, trabalhou ao lado do pontífice polonês no Vaticano e mais tarde serviu como arcebispo em Cracóvia, antes de se aposentar em 2016. “Bagnasco revisou documentos e realizou uma série de reuniões e informará a Santa Sé sobre sua visita”, acrescentou a Nunciatura.

Em novembro, a Conferência Episcopal Polonesa exortou o Vaticano a esclarecer o papel de Dziwisz, após documentários exibidos pelo canal polonês TVN24 que levantaram dúvidas sobre o amigo e secretário de João Paulo II.

O cardeal também é suspeito de ter escondido do papa outros casos de abuso sexual do clero, como os do ex-cardeal americano Theodore McCarrick. A Igreja Católica, politicamente influente na devota Polônia, foi recentemente atingida por uma série de casos de abuso sexual de alto perfil. Desde o ano passado, o Vaticano puniu quatro bispos poloneses por acobertar casos de pedofilia de membros do clero.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE