Tailândia

Doze estudantes acusados de lesa-majestade na Tailândia

Neste ano, o movimento enfraqueceu por causa das restrições sanitárias e da repressão judicial.

Agência France-Presse
postado em 22/07/2021 11:32
 (crédito: Lillian SUWANRUMPHA / AFP)
(crédito: Lillian SUWANRUMPHA / AFP)

Doze estudantes tailandeses foram acusados, nesta quinta-feira (22), de lesa-majestade e sedição por terem participado de uma manifestação pró-democracia em Bangcoc no ano passado, que pedia a reforma da monarquia, uma instituição intocável no país.

"O acusado mais jovem tem 20 anos", informou a ONG Thai Lawyers for Human Rights (TLHR), acrescentando que foram libertados sob fiança.

Um 13º manifestante, acusado dos mesmos fatos, comparecerá ao tribunal na sexta-feira para saber sua sentença.

Eles correm o risco de enfrentar muitos anos atrás das grades, já que o artigo 112 prevê penas de três a 15 anos de prisão para qualquer pessoa declarada culpada de difamação contra o rei e sua família.

Em julho de 2020, manifestações gigantescas explodiram no país para exigirem uma reforma da monarquia e especialmente a abolição do artigo 112.

Em 26 de outubro de 2020, no auge do movimento, milhares de manifestantes se reuniram em frente à embaixada da Alemanha, em um claro desafio ao rei, que passa longas temporadas em Baviera, e leram uma declaração pedindo a Berlim que abra uma investigação sobre as atividades do monarca.

Desde novembro de 2020, segundo o TLHR, mais de 100 manifestantes foram acusados em virtude do artigo 112.

Os manifestantes também pedem uma reforma da Constituição e a renúncia do primeiro-ministro Prayut Chan-O-Cha, um general que tomou o poder após um golpe de Estado em 2014 e que cinco anos depois ganhou uma eleição polêmica.

Neste ano, o movimento enfraqueceu por causa das restrições sanitárias e da repressão judicial.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE