Assédio sexual

Polícia britânica revisará acusações contra o príncipe Andrew por abuso sexual

Os fatos ocorreram entre 2000 e 2002, quando a denunciante tinha 16 anos, sob a extensa rede de tráfico sexual pela qual Epstein foi preso.

Agência France-Presse
postado em 12/08/2021 11:43 / atualizado em 12/08/2021 11:48
 (crédito: Lillian SUWANRUMPHA / AFP)
(crédito: Lillian SUWANRUMPHA / AFP)

A polícia britânica prometeu, nesta quinta-feira (12), que voltará a examinar as acusações contra o príncipe Andrew, depois que uma mulher o processou nos Estados Unidos, alegando que foi abusada por ele por meio da rede do empresário Jeffrey Epstein.

Virginia Giuffre, agora com 38 anos, afirma que o segundo filho da rainha Elizabeth II é "um dos homens poderosos" a quem foi "entregue para finalidades sexuais".

Os fatos ocorreram entre 2000 e 2002, quando a denunciante tinha 16 anos, sob a extensa rede de tráfico sexual pela qual Epstein foi preso. O financista se suicidou em uma prisão de Manhattan no verão boreal de 2019.

"Pedi à minha equipe que revise de novo os documentos", disse à emissora LBC a chefe da polícia de Londres, Cressida Dick, destacando que as acusações já foram investigadas duas vezes em cooperação com o Ministério Público.

"É claro que estamos dispostos a trabalhar com as autoridades estrangeiras, forneceremos a elas toda a assistência solicitada dentro da lei", acrescentou Dick, que disse que "ninguém está acima da lei."

O príncipe Andrew, que negou essas acusações, é acusado de ter "agredido sexualmente" Giuffre, na época menor de idade, em três ocasiões: em Londres, na casa de uma pessoa próxima a Epstein, Ghislaine Maxwell; na propriedade de um empresário de Nova York e nas Ilhas Virgens.

Contatados pela AFP, nem os serviços do príncipe Andrew nem a família real quiseram fazer comentários.

O duque de York, de 61 anos, já havia negado "categoricamente" a acusação em uma entrevista à BBC em novembro de 2019, na qual não expressava nenhum arrependimento pela sua amizade com Epstein ou a menor empatia pelas suas vítimas.

Apesar de negar os episódios, a associação de Andrew ao empresário americano o obrigou a se retirar da vida pública, embora continue aparecendo em público junto à família real.

Segundo uma fonte próxima ao príncipe Charles, citada nesta quinta-feira pelo Times, a denúncia "provavelmente reforçará a opinião [do herdeiro ao trono] de que o retorno do duque é impossível".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE