Portugal

Bombeiros lutam contra incêndio no sul de Portugal

O incêndio começou na segunda-feira na localidade de Castro Marim, perto da fronteira com a Espanha, e foi controlado por volta do meio-dia, mas voltou a ganhar força durante a tarde.

Agência France-Presse
postado em 17/08/2021 11:03 / atualizado em 17/08/2021 11:03
 (crédito: PATRICIA DE MELO MOREIRA / AFP)
(crédito: PATRICIA DE MELO MOREIRA / AFP)

Quase 600 bombeiros lutam nesta terça-feira contra um incêndio que começou na véspera na região turística do Algarve, ao sul de Portugal, e que obrigou a retirada de 60 pessoas, informaram os serviços de emergência.

Um bombeiro foi hospitalizado depois de sofrer queimaduras, informou à AFP um porta-voz do comando regional da Proteção Civil.

O incêndio começou na segunda-feira na localidade de Castro Marim, perto da fronteira com a Espanha, e foi controlado por volta do meio-dia, mas voltou a ganhar força durante a tarde.

À noite, as chamas afetavam um perímetro de quase 40 quilômetros e uma superfície de quase 9.000 hectares, informou nesta terça-feira o comandante da Proteção Civil regional, Richard Marques.

A imprensa local informou que o incêndio destruiu uma fazenda localizada em uma colina repleta de vegetação e árvores frutíferas.

As chamas avançaram para o sul, na direção da costa, o que obrigou as autoridades a bloquear o tráfego na estrada que cruza o Algarve de leste a oeste.

O trânsito foi liberado na autoestrada nesta terça-feira, mas os bombeiros, apoiados por quase 200 veículos e oito aviões ou helicópteros, temem as condições meteorológicas "preocupantes", declarou Marques.

Na segunda-feira, o governo português decidiu prolongar por 48 horas o estado de alerta contra incêndios decretado na sexta-feira para a maior parte do território.

Na vizinha Espanha, o incêndio registrado em Navalacruz, na província de Ávila (centro-oeste) permanecia ativo, mas a evolução era considerada "favorável". As chamas queimaram 12.000 hectares e provocaram a retirada de mil pessoas.

Os incêndios afetaram nas últimas semanas vários países, incluindo Grécia, Turquia e Argélia. As chamas estão associadas a diversos fenômenos previstos pelos cientistas devido à mudança climática.

Portugal, afetado em 2017 pelos incêndios florestais mais letais de sua história, registrava até o momento um verão relativamente tranquilo e sem chamas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE