COVID-19

Cuba usará vacina chinesa, além da própria, contra covid

Será o primeiro imunizante estrangeiro a ser aplicado na ilha, que já usa três de produção nacional. No final da sexta-feira, o país acumulava 634.161 casos e 5.067 mortes.

Agência France-Presse
postado em 28/08/2021 12:33 / atualizado em 28/08/2021 12:34
 (crédito: Divulgação/Sinopharm)
(crédito: Divulgação/Sinopharm)

Cuba começará no domingo a aplicação massiva da vacina chinesa Sinopharm na província central de Cienfuegos para conter a rápida disseminação da covid-19. Será o primeiro imunizante estrangeiro a ser aplicado na ilha, que já usa três de produção nacional.

Citado pelo jornal estatal 5 de Septiembre, o diretor do Instituto Finlay de Vacinas, Vicente Vérez, disse esperar "um impacto relevante" ao combinar a Sinopharm, em duas doses a cada 21 dias, com a cubana Soberana plus, em uma terceira injeção para maiores de 19 anos.

Ele explicou que a vacina chinesa é recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e não tem limitação para alérgicos ao tiomersal.

China e Rússia, dois aliados estratégicos de Cuba, estão na vanguarda da ajuda direta à ilha, que atravessa uma grave crise econômica, alimentar e de medicamentos.

A ilha, de 11,2 milhões de habitantes, imunizou mais de 3,17 milhões de pessoas com as vacinas nacionais Abdala, Soberana 02 e Soberana Plus até quinta-feira, longe da meta estabelecida para o final de agosto de vacinar 70% de sua população.

“A decisão tem a ver com a aceleração da vacinação e com os problemas de produção das vacinas cubanas”, disse no Facebook Amílcar Pérez-Riverol, pesquisador cubano da Fundação Fapesp da Universidade Estadual de São Paulo.

A medida é tomada no momento em que Cienfuegos, de 403 mil habitantes, reajustou os protocolos de enfrentamento da covid porque, como o resto da ilha, enfrenta um pico de casos de infecções e mortes.

Só na segunda quinzena de agosto a província teve vários dias com mais de 1.000 casos de novas infecções, num total de 50.300, segundo a imprensa estatal. No final da sexta-feira, Cuba acumulava 634.161 casos e 5.067 mortes.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE