Polônia

Governo polonês quer construir muro em sua fronteira com Belarus

Desde agosto, milhares de migrantes, a maioria natural do Oriente Médio e da África, tentaram cruzar a fronteira polonesa a partir de Belarus

Agência France-Presse
postado em 13/10/2021 12:46
 (crédito: ATTILA KISBENEDEK / AFP)
(crédito: ATTILA KISBENEDEK / AFP)

A Polônia planeja construir um muro para impedir que os migrantes cruzem sua fronteira com Belarus, segundo um projeto de lei debatido nesta quarta-feira (13) no Parlamento.

O custo de sua construção é estimado em 353 milhões de euros (408 milhões de dólares) e também incluirá a implementação de sensores de movimento.

O governo polonês, de tendência nacionalista, aprovou o projeto na terça-feira. O texto deve ser votado pelos deputados até quinta.

"O número de tentativas de atravessar a fronteira só aumenta", declarou o governo para justificar o projeto.

O texto estipula que ninguém poderá se aproximar a menos de 200 metros do muro.

Desde agosto, milhares de migrantes, a maioria natural do Oriente Médio e da África, tentaram cruzar a fronteira polonesa a partir de Belarus.

Segundo a União Europeia (UE), o governo bielorrusso organizou este fluxo para se vingar das sanções europeias.

A Polônia reagiu enviando soldados para a fronteira, decretando um estado de emergência na área e levantando uma cerca.

A Polônia é um dos doze Estados que, na semana passada, pediram que a UE financie "barreiras" fronteiriças para impedir que os migrantes entrem no território do bloco comunitário.

O projeto do muro foi energicamente criticado por ONGs, que acusaram o Executivo polonês de reagir de forma brutal à migração e que alertaram para uma possível "catástrofe humanitária" pelas condições em que os migrantes sobrevivem, bloqueados nas florestas e terrenos pantanosos da fronteira.

O estado de emergência, que impede que jornalistas e organizações de caridade se aproximem da fronteira, despertou uma grande polêmica e levou a UE a exigir "transparência".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE