COVID-19

Alemanha registra recorde de casos diários de covid-19 desde início da pandemia

Ao todo, a Alemanha acumula mais de 4,6 milhões de casos desde o início da pandemia no território

Agência France-Presse
postado em 04/11/2021 10:38
 (crédito: STR / AFP)
(crédito: STR / AFP)

A Alemanha registrou nesta quinta-feira (4) um recorde de infecções diárias desde o surgimento da pandemia de coronavírus no país, com um total de 33.949 casos em 24 horas, informou o instituto de vigilância sanitária Robert Koch.

O recorde anterior foi alcançado em dezembro de 2020, quando se chegou a 33.777 novos casos.

Ao todo, a Alemanha acumula mais de 4,6 milhões de casos desde o início da pandemia no território. Segundo o governo, neste momento, o país enfrenta uma quarta onda muito severa que afeta os não vacinados.

O instituto contabilizou 165 mortes nas últimas 24 horas, elevando para para 96.192 o número total de óbitos pela pandemia no país.

Nesta quinta-feira, a taxa de incidência na Alemanha era de 154,5 a cada 100 mil habitantes. Em regiões como Saxônia e Turíngia com níveis acima de 300 por cada 100 mil habitantes.

"A situação é grave", disse Helge Braun, um colaborador próximo da chanceler Angela Merkel, em entrevista ao canal público da ZDF.

"Já estamos constatando uma carga enorme (nos hospitais) na Turíngia e na Saxônia", ambas no leste do país, relatou.

"O importante é que os cidadãos entendam que o inverno (verão no Brasil) será, de novo, problemático, infelizmente", acrescentou este médico de formação, pedindo "prudência" à população.

O ministro da Saúde e seus colegas das diferentes regiões da Alemanha se reúnem hoje e sexta-feira em Lindau (sul) para decidir sobre novas medidas de restrição.

O novo surto da pandemia ocorre em um delicado contexto político no país, com um governo interino com funções limitadas. Ainda se espera a formação de um novo Executivo, após as eleições legislativas de setembro passado.

No momento, há negociações em curso para uma coalizão entre social-democratas, verdes e liberais.

A chanceler Angela Merkel, em final de mandato, disse estar "muito preocupada" com esta evolução e "muito triste" com o elevado número de pessoas com mais de 60 anos não vacinadas. Ela também advertiu contra o retorno "de uma certa despreocupação", por parte dos alemães, em relação à covid-19.

O ministro da Saúde, Jens Spahn, pediu às autoridades de todas as regiões do país, competentes em matéria de saúde, que endureçam as regras para os não vacinados, proibindo o acesso a determinados locais, ou encarecendo o valor do teste de PCR.

Alguns, como a Saxônia e Baden-Wurttemberg, já adotaram novas medidas restritivas, ou estão perto de anunciá-las.

Também nesta quinta-feira, a Organização Mundial da Saúde (OMS) manifestou sua preocupação com o ritmo "muito preocupante" de transmissão da covid-19 na Europa, neste momento. A expectativa é que, se este quadro se mantiver, mais cerca de meio milhão de mortes poderão ser registradas até fevereiro de 2022.

"Estamos, de novo, no epicentro", advertiu o diretor da OMS para a Europa, Hans Kluge, em entrevista coletiva virtual.

"O ritmo atual de transmissão nos 53 países que formam a região europeia é muito preocupante (...) Se mantivermos esta trajetória, poderemos ter outro meio milhão de mortos por covid-19 na região até fevereiro", acrescentou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE