Greve de fome

Jornalista chinesa detida por cobertura da covid está à beira da morte, alerta família

A ex-advogada de 38 anos se declarou em greve de fome depois de ser condenada no fim de 2020 a quatro anos de prisão por "provocar distúrbios da ordem pública", uma acusação habitualmente atribuída na China a dissidentes políticos

Agência France-Presse
postado em 05/11/2021 09:01
 (crédito: Handout / YOUTUBE / AFP)
(crédito: Handout / YOUTUBE / AFP)

Zhang Zhan, uma jornalista cidadã chinesa detida depois de filmar como era aplicado o confinamento em Wuhan, a primeira cidade do mundo que detectou casos de covid-19, está perto da morte, advertiu a família.

A ex-advogada de 38 anos se declarou em greve de fome depois de ser condenada no fim de 2020 a quatro anos de prisão por "provocar distúrbios da ordem pública", uma acusação habitualmente atribuída na China a dissidentes políticos.

Há vários meses ela é alimentada à força por sondas nasogástricas.

O irmão da jornalista, Zhang Ju, advertiu na semana passada no Twitter que ela está muito magra e "pode não sobreviver ao inverno".

"No coração dela, parece que existem apenas Deus e suas crenças, sem importar mais nada", completou o irmão.

Em fevereiro de 2020, a advogada de Xangai viajou a Wuhan, no centro da China, para narrar a situação poucos dias depois do início da aplicação de um confinamento rígido na metrópole de 11 milhões de habitantes.

As imagens de pacientes em um corredor lotado de um hospital foram das poucas informações divulgadas na época sobre as condições sanitárias da cidade.

Na quinta-feira, a Anistia Internacional pediu a libertação imediata de Zhang para que "termine a greve de fome e receba o tratamento que precisa desesperadamente".

A organização Repórteres Sem Fronteiras também pediu à comunidade internacional que pressione por sua libertação "antes que seja tarde demais".

A AFP não conseguiu entrar em contato com o irmão da jornalista e sua mãe não quis fazer comentários. Os diretores do sistema penitenciário também não falaram.

Um dos advogados da jornalista afirmou que a família pediu autorização para visitá-la na prisão em Xangai, mas não recebeu resposta.

Seus representantes não têm informações sobre o estado atual de Zhang.

Questionado sobre o tema nesta sexta-feiram o ministério chinês das Relações Exteriores não revelou detalhes sobre a saúde da jornalista.

Um porta-voz da diplomacia, Wang Wenbin, garantiu que "a China é um Estado de direito".

"Qualquer pessoa que viole a lei deve ser punida", declarou à imprensa, antes de afirmar que os apelos a favor da liberdade de Zhang Zhan eram "uma manipulação política anti-China".

Além de Zhang Zhan, ao menos outros três jornalistas independentes (Chen Qiushi, Fang Bin e Li Zehua) estão detidos pela cobertura sobre a crise epidêmica em Wuhan.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE