Guerra civil

Síria registra o maior número de vítimas de minas em 2020, diz relatório

Pela primeira vez desde que o observatório começou a rastrear o problema em 1999, o maior número de vítimas anuais documentadas em 2020 foi registrado na Síria, com 2.729 mortos e feridos

Agence France-Presse
postado em 10/11/2021 09:53
 (crédito: Delil SOULEIMAN / AFP)
(crédito: Delil SOULEIMAN / AFP)

A Síria registrou o maior número de vítimas de minas explosivas, à frente do Afeganistão e da Colômbia - informa o relatório anual do Landmine Monitor, divulgado nesta quarta-feira(10).

Pela primeira vez desde que o observatório começou a rastrear o problema em 1999, o maior número de vítimas anuais documentadas em 2020 foi registrado na Síria, com 2.729 mortos e feridos.

O país não é signatário da Convenção sobre a Proibição do Uso, Armazenamento, Produção e Transferência de Minas Antipessoais.

Anteriormente, Afeganistão e Colômbia, ambos signatários do tratado, lideravam a classificação.

Em seu relatório, o observatório especificou que a Síria "não documentou, ou confirmou, no período considerado, o uso de minas antipessoais por parte de suas forças governamentais, ou das forças russas que participam de operações militares conjuntas na Síria".

"Os grupos armados não-estatais na Síria continuaram, possivelmente, a usar minas terrestres improvisadas, como nos anos anteriores", acrescentou a entidade.

O estudo admitiu que "o acesso limitado ao território controlado por grupos armados não estatais dificultou a confirmação do uso de minas".

A convenção contra as minas antipessoais faz parte do direito internacional desde 1999 e tem 164 Estados-partes.

Ela proíbe tanto o uso de minas que explodem por contato humano quanto dispositivos explosivos improvisados, que podem ser ativados pela presença, proximidade, ou contato com uma pessoa.

Em 2020, as vítimas desses explosivos foram identificadas em 54 Estados e territórios, dos quais 38 Estados são signatários do tratado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE