Prazo de validade

Nigéria destrói um milhão de vacinas anticovid vencidas

"Eliminamos 1.066.214 doses da vacina da AstraZeneca vencidas", informou Faisal Shuaib, funcionário da agência nacional de atenção primária da saúde.

Agência France-Presse
postado em 22/12/2021 14:25
 (crédito: KOLA SULAIMON / AFP)
(crédito: KOLA SULAIMON / AFP)

Abuja, Nigéria- A Nigéria destruiu nesta quarta-feira (22) mais de um milhão de doses de vacinas anticovid da AstraZeneca doadas recentemente por países desenvolvidos, mas que atualmente passaram da data de validade.

O país mais populoso da África vacinou até agora apenas quatro milhões de pessoas, menos de 3% de sua população adulta e muito abaixo do objetivo de seu governo, de imunizar 112 milhões de pessoas até o fim do ano que vem.

"Eliminamos 1.066.214 doses da vacina da AstraZeneca vencidas", informou Faisal Shuaib, funcionário da agência nacional de atenção primária da saúde.

"Quando nos doaram essas vacinas, sabíamos que tinham uma validade muito curta, mas estamos em um lugar onde o fornecimento de vacinas contra a covid-19 é muito escasso", afirmou, culpando os países ricos de acumular doses e doá-las somente quando estão prestes a vencer.

A ONU alerta há muito tempo que as desigualdades na distribuição mundial de imunizantes estão deixando muitas pessoas vulneráveis nos países mais pobres sem uma só dose, inclusive em um momento em que os mais ricos lançam campanhas de dose de reforço.

Funcionários nigerianos afirmaram na segunda-feira que o país africano enfrenta atualmente uma quarta onda da pandemia e solicitaram um cumprimento rigoroso das restrições durante as festas de fim de ano.

Este país da África ocidental, com 220 milhões de habitantes, registrou oficialmente 225.000 casos desde o começo da pandemia, com menos de 3.000 mortes vinculadas à covid-19.

No entanto, os especialistas atribuem os números baixos de infectados e mortalidade em parte às baixas taxas de testes específicos e a uma ausência generalizada de informação sobre a doença.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE