CHINA

Queda de Boeing em montanha intriga especialistas

Correio Braziliense
postado em 22/03/2022 00:01

Uma aeronave da companhia China Eastern Airlines, com 132 pessoas a bordo, caiu, ontem, quando sobrevoava a cidade chinesa de Wuzhou, na região montanhosa de Guangxi, sudoeste do país. A queda foi brutal. O Boeing 737-800 despencou de uma altitude de 8,9 mil metros para mil metros em três minutos.

Até o fechamento desta edição, não havia um número de mortos, mas parecia improvável que alguém tivesse escapado com vida. Especialistas, que se mostraram intrigados com as circunstâncias do acidente, consideram que pode ser a tragédia aérea mais mortal no país desde 1994. Em um comunicado, a China Eastern Airlines "prestou homenagem" às vítimas.

O voo MU5735, que partiu de Kunming com destino à metrópole de Guangzhou, estava programado para durar uma hora e quarenta minutos, durante os quais a aeronave, com quase sete anos, percorreria 1.357 quilômetros.

De acordo com dados do portal de rastreamento de voo FlightRadar24, o avião estava voando às 14h19 (horário local) a uma altitude de 29.100 pés (8.870 metros) quando começou a declinar, cerca de 55 quilômetros a oeste da cidade de Wuzhou.

Imagens compartilhadas por internautas chineses mostraram uma encosta densamente arborizada em chamas, enquanto explosões soavam, mas a localização da filmagem não era clara. O impacto causou incêndio no condado de Teng da cidade de Wuzhou, em Guangxi. Um vídeo divulgado pela mídia chinesa mostra um avião caindo verticalmente.

O presidente chinês, Xi Jinping, declarou estar "comovido" e pediu uma investigação para que "sejam determinadas as causas do acidente o quanto antes". Dos Estados Unidos, a Boeing informou que está tentando "reunir mais informações".

O acidente surpreendeu especialistas. Nos últimos anos, a China manteve bons padrões de segurança da aviação, em um país repleto de aeroportos recém-construídos e coberto por novas companhias aéreas estabelecidas para atender ao crescimento vertiginoso do país nas últimas décadas. O último grande desastre aéreo no país ocorreu em agosto de 2010, com um saldo não confirmado de 42 vítimas.

Pelas informações inicialmente colhidas, o piloto, em meio à queda drástica do Boeing, chegou a recuperar um mínimo de altitude, por alguns segundos, antes do declínio total. Essa situação mostra, segundo o ex-piloto Michel Treskin, do site Aerotime, "que houve algum controle" sobre o avião. "Parece que alguém tentou tirar a aeronave do mergulho", afirmou ao portal.

Resgate

O acidente mobilizou a população da área rural de Wuzhou. "Todos os moradores tomaram a iniciativa de ajudar no resgate. Todos foram para a montanha", disse à AFP, por telefone, o comerciante Tang Min, que mora a cerca de 4km do local do acidente.

Um morador da área disse a um site de notícias local que o avião envolvido no acidente estava "completamente destruído" e que viu áreas florestais próximas destruídas pelo fogo causado pela queda na encosta da montanha.

De acordo com a agência financeira Yicai, a China Eastern decidiu suspender todos os seus 737-800 a partir de hoje, sem esperar pelos resultados da investigação. No aeroporto de Guangzhou, parentes dos passageiros, alguns em lágrimas, se reuniram em uma sala de espera especial.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE