Os Correios, quem diria, têm o melhor desempenho em 22 anos

Correio Braziliense
postado em 18/03/2022 00:01

Os Correios fizeram bonito em seu balanço de 2021. O lucro de R$ 3,7 bilhões é duas vezes maior que o do ano anterior e significa o melhor desempenho em duas décadas. Como a estatal, conhecida pelo seu histórico de ineficiência, chegou a resultado tão expressivo? Segundo o general Floriano Peixoto, que assumiu a presidência da empresa em junho de 2019, uma série de medidas adotadas desde então explicam os números positivos. Entre elas, aponta melhorias nos processos logísticos, adequação de linhas de negócios e uma política agressiva de corte de custos. Mesmo com as finanças um pouco mais equilibradas, Peixoto defende a privatização, que considera um caminho inevitável para tornar os Correios um competidor em condições de igualdade com os gigantes do ramo de entregas. Os Correios têm atributos valiosos. Poucas companhias possuem a mesma capilaridade e são ainda mais raras as que associaram seu nome à história do Brasil.

Startup diz
ter evitado
R$ 70 bilhões
em fraudes

A unico IDTech, startup especializada em tecnologias de identidade digital, tem ajudado a reduzir os danos de ataques cibernéticos. A empresa diz que a solução conhecida como unico check evitou cerca de
R$ 70 bilhões em fraudes. Outro dado curioso: com a assinatura eletrônica biométrica, 500 mil pessoas assinaram 3 milhões de documentos sem precisar de papel ou caneta. No ano passado, a unico firmou parceria com a Universidade Federal do Paraná para a pesquisa de novos modelos de identificação.

Vale desembolsou R$ 3,7 bilhões em ações sociais e ambientais em MG

A Vale fez um levantamento sobre os desembolsos realizados em Minas Gerais em 2021, considerando tanto investimentos quanto custeio. Segundo a empresa, as ações sociais e ambientais corresponderam a R$ 3,7 bilhões. Já as compras com fornecedores locais somaram
R$ 21 bilhões. Devido às operações no Estado, foram repassados R$ 4 bilhões em tributos para os governos municipal, estadual e federal. Os números fazem parte do relatório Vale , que trata de sua atuação econômica, social e ambiental.

Buffett amplia investimentos
em petróleo — e se dá bem

Warren Buffett, certamente um dos investidores mais espertos do mundo, parece não estar nem aí para as novas fontes de energia. Nos últimos dias, a Berkshire Hathaway, que pertence a ele, investiu US$ 7 bilhões na petroleira americana Occidental Petroleum, que tem se beneficiado da disparada de preços da commodity. Em menos de um mês, as ações da companhia subiram 50%. É incrível como, aos 91 anos, Buffett mantém o faro afiado para ótimos negócios. Sua fortuna é estimada em US$ 116 bilhões.

4,3%

foi quanto caiu a demanda do consumidor por crédito na passagem de janeiro para fevereiro, segundo pesquisa da Boa Vista

Somos a única companhia que seguiu pagando 100% a seus colaboradores, sem grandes desmontes de áreas e estruturas e ainda continuamos investindo. Passamos a pandemia pagando todas as dívidas e colaboradores, sem fazer redução de pessoas"

Leonel Andrade, presidente da CVC Corp

Rapidinhas

» Lembra da Mobylette, a pequena motocicleta que fez sucesso entre os jovens dos anos 70 e 80? Pois ela está na ativa de novo. A Caloi relançou o modelo com o slogan "a lenda voltou". Como seria inevitável, o veículo ficou diferente. A principal mudança é o motor elétrico no lugar da gasolina, e com autonomia para rodar até 30 quilômetros.


» O lançamento da Mobylette inovou na forma de expor o produto. Em vez de recorrer a lojas físicas, a Caloi preferiu iniciar as vendas na internet, pelo Mercado Livre. Só no final do mês as motocicletas estarão disponíveis nas lojas, com preço sugerido de R$ 9.199 — equivalente aos valores cobrados pelas motos populares.


» Após aquisição pelo Bradesco, a plataforma de serviços financeiros Digio decidiu ingressar no mercado de seguros com o lançamento de um plano odontológico em parceria com a Odontoprev, o Grupo Bradesco Seguros e a consultoria Aon. A escolha pelo segmento se deu após pesquisa feita com a base de clientes, que indicou a modalidade como a mais desejada.


» A startup brasileira Gringo, que desenvolveu um aplicativo para ajudar motoristas em tarefas como organização de documentos e contratação de seguros, recebeu um aporte de R$ 190 milhões liderado pelo fundo de venture capital VEF. Detalhe: a empresa tem menos de dois anos de vida.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE