conjuntura /

R$ 18 bi de lucro em 3 meses

Expansão de Itaú, Bradesco e Santander, no 1º trimestre, se deve à política de juros altos e ao endividamento da população — ainda às voltas com os efeitos da crise econômica trazida pela pandemia de covid-19

Correio Braziliense
postado em 10/05/2022 00:01
 (crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
(crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Os maiores bancos privados que operam no Brasil, Bradesco, Itaú e Santander, registraram um lucro de R$ 18,2 bilhões no primeiro trimestre de 2022, de acordo com balanços financeiros divulgados, ontem, pelos três. Entre os fatores que levam ao resultado recorde estão a política de juros altos e a inflação registrada no período, também marcado pelo forte endividamento da população.

Juntos, Bradesco, Itaú Unibanco e Santander cresceram 7,8% em comparação com o mesmo período do ano passado. Em 2021, somados, os bancos lucraram R$ 16,9 bilhões, enquanto registraram R$ 11,4 bilhões em 2020.

O Itaú Unibanco lidera a expansão e foi a instituição que mais cresceu no período: lucro de R$ 7,36 bilhões no período. Já o Bradesco faturou R$ 6,82 bilhões, enquanto o Santander obteve R$ 4 bilhões.

No caso do Itaú, o resultado foi pouco mais de 15% na comparação com o primeiro trimestre do ano passado — também registrou o maior ganho de janeiro a março. Já o avanço do Bradesco foi bem mais modesto em relação a 2021: 4,70%. O Santander obteve variação positiva de 1,26% se confrontado com o lucro obtido no ano passado.

Outra instituição que anunciou, ontem, ter dado um salto foi o BTG Pactual — um avanço de 72% em relação ao mesmo período de 2021. A receita total no trimestre atingiu R$ 4,35 bilhões, alta de 56% de um ano para outro. O lucro é o maior desde a estreia do BTG na Bolsa, em 2012.

Fatores

Especialistas atribuem o resultado positivo das três maiores instituições financeiras do país ao crescimento da margem ao maior volume de crédito e ao mix de produtos oferecidos, pois, com a pandemia de covid-19 e os efeitos que ainda permanecem, o consumidor vem utilizando mais o cheque especial, o crediário e o cartão de crédito — operações mais rentáveis para o banco — como forma de tentar chegar ao fim do mês e compensar a perda de rendimento.

"O Brasil é reconhecido por ter um centro financeiro ágil e eficiente, mesmo em períodos de baixo ciclo econômico. Houve maior oferta e consequente aumento do uso do crédito nesse período", avalia o economista Eduardo Velho, da JF Trust Gestora de Recursos.

O endividamento das famílias atingiu nível recorde em abril de 2022, de acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, feita pela Confederação Nacional do Comércio (CNC). O levantamento mostra que 77,7% delas estavam endividadas em abril de 2022 em quase todas as modalidades de crédito — cheque pré-datado, cartão, cheque especial, carnê, consignado, empréstimo pessoal — e na prestação do carro e da casa. Há um ano, o total de endividados era de 67,5%.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE