Rapidinhas

Correio Braziliense
postado em 17/05/2022 00:01

McDonald's e Renault desistem da Rússia

As informações que chegam da Rússia são imprecisas, mas é muito provável que os empresários locais não estejam nada satisfeitos com a guerra. No início desta semana, duas empresas globais anunciaram que desistiram de atuar no mercado local, o que, certamente, provocará estragos na economia russa. O McDonald's — uma das primeiras marcas ocidentais a se estabelecer por lá, em 1990, após a dissolução da União Soviética — informou que encerrará definitivamente a operação de suas 850 lojas no país. Já a montadora Renault avisou que venderá todos os seus ativos, inclusive uma fábrica em Moscou, para o governo russo. O valor da transação não foi informado oficialmente pela empresa, mas fontes do Ministério da Indústria e Comércio afirmaram que ela será assinada pelo valor simbólico de um rublo. Seria isso uma espécie de expropriação? Não à toa, desde o início da guerra na Ucrânia, inúmeras multinacionais suspenderam ou encerraram as operações na Rússia.

Com crise econômica, frota de carros envelhece

O Pibinho dos últimos anos provocou um efeito indigesto no mercado automotivo: o envelhecimento dos carros em circulação. Atualmente, apenas 23,5% dos automóveis no país têm até cinco anos de uso. Há uma década, a fatia era de 43,1%. Os modelos de idade avançada (de seis a 15 anos) passaram de 38,1% em 2021 para 57,1% hoje em dia, conforme dados do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças). Carros velhos poluem mais e provocam mais acidentes.

Empresas de capital aberto lucram mais do que o esperado

A temporada de balanços preocupava o mercado financeiro, mas as previsões pessimistas não se confirmaram. Muito pelo contrário. Segundo relatório da XP distribuído a clientes, 62% das empresas cobertas pela instituição tiveram lucro acima do esperado, enquanto 30% decepcionaram. Apenas 8% apresentaram resultados exatamente em linha com o que havia sido projetado. Ainda assim, os analistas pregam cautela para o restante do ano, pincipalmente diante do turbulento cenário eleitoral.

Europa vai mudar regras para visitantes brasileiros em 2023

A Comissão Europeia vai passar a exigir, a partir de 2023, uma autorização de viagem para os visitantes que não precisam de visto para entrar no Velho Continente. É o caso dos brasileiros, que deverão pedir o documento (ele será chamado de Etias, sigla em inglês para Sistema Europeu de Informação de Viagem e Autorização) de maneira on-line e pagar uma taxa de sete euros. Todos os solicitantes terão suas informações pessoais rastreadas e checadas pelas autoridades europeias.

A Netflix está em busca de soluções para reverter a inédita queda do número de assinantes registrada no primeiro trimestre. A próxima novidade será a inclusão de atrações ao vivo em seu cardápio, especialmente programas de auditório ou comédias. Segundo fontes da empresa, a iniciativa está em fase de testes.

A crise econômica e a turbulência política sem fim têm levado muitos brasileiros a desistir do país. De acordo com dados levantados pela Polícia Federal, 17% das pessoas que deixaram o Brasil em 2021 não retornaram. Foi o maior percentual em 11 anos. Em 2019, antes da pandemia, o índice era de 5%.

A adoção definitiva do home office reproduz as históricas desigualdades brasileiras. Um levantamento realizado pelo Loft Analytics (núcleo de dados do grupo Loft, do setor imobiliário) aponta que o trabalho exclusivamente presencial é mais frequente nas classes C (63%) e D/E (64%) do que nas classes A (45%) e B (51%).

Enfim, um refresco na avalanche de notícias negativas no mercado automotivo. Nos primeiros 15 dias de maio, as vendas de veículos aumentaram 7% em relação ao mesmo período do ano passado, quebrando uma longa série marcada pela queda dos licenciamentos Ainda assim, a alta de preços é uma barreira para que o setor volte a acelerar com força.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE