Visto, lido e ouvido

Desde 1960

Circe Cunha (interina) // circecunha.df@dabr.com.br
postado em 12/08/2020 22:12 / atualizado em 12/08/2020 22:17

As razões para o barqueiro da morte

Se ainda estivesse na ativa, cruzando os rios Estige e Aqueronte, carregando em sua nau as almas dos recém-falecidos, por certo o barqueiro Caronte de Hades, da mitologia grega, teria muito trabalho a realizar, tendo que atravessar esses cursos d’água 738 mil vezes, levando os atingidos em todo o mundo pela nova peste, desta vez chamada de covid-19. Somente para transportar os mortos do Brasil, Caronte teria que realizar o mesmo trajeto mais de 103 mil vezes, indo e voltando, numa viagem sem dia para terminar.
No poema épico Eneida, de Virgílio, escrito no século I A.C, Se não posso dobrar os céus, moverei Aqueronte, o que, em outras palavras, seria a busca por um significado, uma razão ou mesmo um culpado por tamanha fatalidade global. Muitos ainda procuram uma razão para uma mudança tão brusca no modus vivendi de todos nós. Que consequência terá essa situação dramática e inusitada para os indivíduos, sobretudo para os mais moços? Por certo, haverá oportunidade para traumas, do tipo pós-guerra, maculando o subconsciente de muitos. Talvez uma questão dessa dramaticidade possa ser superada, em parte, buscando-se, ao menos, os pretensos culpados por instalar, sem aviso e sem remorsos, o mundo distópico que acreditávamos existir apenas na ficção nos filmes noir.
Quem sabe, ao indicar os responsáveis diretos e indiretos por esse drama humano, seja encontrada a razão de tudo isso. Se o mundo ainda não identificou corretamente os culpados por tantas mortes presentes e futuras, ao menos, muitos já sabem os nomes e os sobrenomes daqueles que, por ofício, tinham a obrigação de levar as pessoas a um bom porto. E se soubéssemos os nomes e a culpa atribuída a cada um nesses episódios macabros, de que adiantaria? Os que foram levados para o outro lado do rio, pelo barqueiro da morte, lá ficarão para sempre. O que parece não ser possível, ou ao menos concebível, é que não existam protagonistas responsáveis por essa verdadeira montanha de mortos.
Mesmo a vacina, que se anuncia no horizonte, capaz de aplacar o medo de uma morte sufocante, não terá o condão de pacificar o mundo e, sobretudo, os traumas permanentes gerados em muitos. É preciso encontrar os culpados para, ao menos, entender suas razões. O mais inquietante é pensar que, por ação humana deliberada de alguns líderes políticos do nosso mundo, ousaram transformar a Terra no próprio Hades, onde as expectativas de uma vida de quietude e simplicidade foram simplesmente banidas para longe.
Ao destruir, com propósito, qualquer faixo de uma luz de esperança, esses que, agora, estão sentados em suas cadeiras dirigindo nações inteiras, organismos internacionais e outros postos-chaves, por certo, cometeram crimes hediondos e devem responder por eles, seja internamente ou perante os tribunais internacionais. O que não dá é para fingir que nada aconteceu, que tudo foi um acidente sem maiores problemas, varrendo esses acontecimentos para debaixo do tapete da história, cobrindo-os com a poeira do tempo e do esquecimento. O que se quer — muito mais do que os culpados, que certamente aí estão impunes — é buscar suas razões. Até para que flagelos como esse não voltem a surpreender a todos novamente.

» A frase que foi pronunciada

“A palavra é meu domínio sobre o mundo.”

Clarice Lispector, escritora

 

MAB

» Muitos planos para o Museu de Arte de Brasília. Localizado em uma região especial, há um projeto grandioso para entregar à cidade o antigo museu, aportado como uma área moderna num complexo cultural que a capital merece de volta. A Concha Acústica será uma extensão desse complexo.


Surreal

» Veja no Blog do Ari Cunha as fotos do Coliseu do Sertão. Depois de seis anos de obras, o estádio de futebol inspirado no Coliseu de Roma foi inaugurado. A cidade é Alto Santo, no Ceará. A população da cidade gira em torno de 16 mil habitantes, e a capacidade do estádio
é de 20 mil pessoas.


Conhecimento

» Por falar em Ceará, recebemos do amigo Silvestre Gorgulho um depoimento da Dra Rosete Ramos. Ela fala nas lições passadas pelo Dr. Fábio Rabelo no então Hospital Distrital. O cearense Dr. Edmar Maciel também é destaque como o precursor no uso da pele de tilápia para reconstituir peles queimadas que lhe rendeu o Prêmio Abril de Ciência. O conhecimento está sendo enviado para o Líbano.


Resultado

» Novacap, Administração Regional do Lago Norte e Secretaria de Saúde unidas para cercar e aumentar o Horto ao lado da Unidade Básica de Saúde do Lago Norte. Brasília acorda para proteger tudo o que já foi conquistado. O próximo passo é o Parque Nacional.

» História de Brasília

Hoje é sábado, dia de conferir o grau de desenvolvimento das tilápias do Lago. Vou para o meu pesqueiro. Lá, terei a tilápia que quero, com o caniço que escolherei.
(Publicado em 13/01/1962)

 

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação