Os julgamentos das praças virtuais

''Será que estamos tão no fundo do poço? Será que o erro judiciário, mesmo no nascedouro, não incomoda mais a ninguém? Meus caros, antes de construir qualquer castelo, vejam se as peças se encaixam''

THIAGO ANASTÁCIO
postado em 18/08/2020 04:00

Peguem uma história e repartam-na em pequenos cubos, como aqueles com que as crianças montam um castelo de plástico. Imaginem que o “o quê” fosse um bloco, o “quando” outro, o “porquê” também e assim por diante. Agora, deem os blocos para duas pessoas o reconstruírem. Dificilmente, teríamos dois castelos parecidos.

A Justiça criminal assiste cotidianamente a esse pequeno e grave jogo de remontar blocos para chegar a fatos pretéritos. Ao contrário da brincadeira infantil, as peças da vida real são ordenadas nos tribunais por pessoas com interesses particulares, às vezes nunca descobertos, nem mesmo pelos cuidadosos e atentos juízes.

Ainda esses dias uma jovem de classe social acima da média foi acusada de manter uma mulher de 60 anos de idade em trabalho análogo ao de escravidão. Imediatamente, redes sociais, influenciadores da matrix e mesmo o mundo real agiram para destruir sua reputação, causando-lhe estrago para todo o sempre. Lembremo-nos que o “direito ao esquecimento” termina no campo de pesquisa do Google.

E agora assim está. Essa moça foi demitida do emprego, seu nome constará nos registros como antiga senhora de engenho paulistana – daquelas bem pérfidas. A Justiça criminal tem o compromisso, apenas e exclusivamente, de confirmar a condenação pública a que ela foi submetida.

Mas, se essa história fosse contada de modo em que todas as peças ocupassem lugares diferentes, revelando então que a montagem prévia estava enviesada, de forma espúria e injusta? Quem pediria desculpas à jovem pelo julgamento leviano?

Em rede social de comunicação, este articulista recebeu as “peças” do inquérito policial de um grupo “condenador”. Foi uma fantasia perguntar se alguém deles leu o que constava naquele arquivo. Tomando o cuidado de observar cada detalhe, com a atenção que nós, profissionais do direito, devemos ter, percebi que aquele castelo tinha sido feito por crianças, não por profissionais.

Primeiro, havia a informação de que a senhora, vítima, seria incapaz. Para registro, as pessoas incapazes (idosos, menores, portadores de problemas psicológicos etc.) recebem proteção do direito penal quanto a maus tratos e possíveis abandonos.

Mas, como dito no início deste texto, a senhora tem 60 anos de idade, não 90, diferente de como pareceu na montagem enviesada. Assim, está livre de suspeita sobre problemas desse tipo, pois, caso contrário, nossa autoridade policial precisaria nomear um curador para a história. Logo, incapaz ela não era.

Então, veio um tempero adicional: o trabalho análogo ao de escravidão – o palavrão dos palavrões. Mas essa senhora tinha a chave de casa, saía e entrava quando queria, não trabalhava para ninguém na casa onde residia – afinal, ninguém morava lá. Também usava telefone celular, passeava com cachorros de vizinhos, por amor aos animais e pelos valores. A jovem, condenada pela opinião pública, ainda lhe pagava R$ 400 mensais para isso.

Reduzida à condição de escrava? Mesmo? Pode ser. Mas qual o trabalho da escrava? Tudo bem. Barramos na história da ausência de vencimentos. Mas vencimentos sem emprego? Falta algo nessa história, não?

Narrou a condenada que a vítima trabalhou com a família por muitos anos. E, quando todos partiram para o interior, vendo que a mulher não teria onde morar, cedeu a edícula da antiga casa. Era apenas uma forma de ajudar e emprestar um teto para quem não tinha nada, enquanto o tecido da história fosse tramado e o futuro dissesse algo.

Essas peças não deveriam estar na construção do nosso castelo? Será que poderíamos ter deixado de lado os blocos que não interessavam ao sensacionalismo? E se as praças virtuais confundiram as ignorâncias com o mundo real? E se mesmo o ato de abrigar foi narrado como de escravidão, já que, propositadamente, foram retiradas cinco ou seis peças indesejáveis? É para isso que pagamos o poder público?

Será que estamos tão no fundo do poço? Será que o erro judiciário, mesmo no nascedouro, não incomoda mais a ninguém? Meus caros, antes de construir qualquer castelo, vejam se as peças se encaixam. Seria bom e salutar começo. Pois castelos não param em pé sem reis cuidadosos. E a opinião pública é a terrível e variante rainha louca.



* Advogado criminalista 

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação