Opinião: Violada duas vezes

''O Brasil vive uma falência moral. E se a menina engravidada durante ato de violência sexual fosse filha de um desses 'cristãos'? Colocariam seus dogmas distorcidos acima de um futuro menos tortuoso para a menina?''

Rodrigo Craveiro
postado em 19/08/2020 04:00

A velha e abjeta mania de culpabilizar a vítima agora recaiu sobre uma menina de 10 anos. Grávida depois de ser estuprada pelo tio. Violentada duas vezes. Sexual e moralmente. Tachada de assassina por pseudorreligiosos que usam em vão o nome de Jesus Cristo para vomitar sua verborragia inconsequente. “Cristãos” que se acham no direito de traçar o futuro de uma menina que nem sequer sabe cuidar de si mesma. Queriam impor a “maternidade” a uma criança que jamais sonharia em ser mãe. Nem uma palavra de condenação contra o tio estuprador. A história da garota (de 10 anos) guarda nuances ainda mais macabras. A pseudomoralista, que já fez várias ameaças a um ministro do Supremo Tribunal Federal, foi presa e libertada dias depois, revelou a identidade da criança e o endereço do hospital onde o aborto foi feito.

E foi lá na porta do hospital que se deu o show de horrores. Uma turba de quase zumbis, gente catatônica orando fervorosamente contra o aborto da criança. Despejando argumentos falaciosos e absurdos, regidos apenas por suas crenças impostas como um código de ética impossível de ser violado. Lá dentro, amparado pela lei e pelo óbvio, o médico dava início ao procedimento para expelir o feto do pequenino ventre, enquanto tentava preservar a vítima, distanciando-a daqueles que a violavam uma vez mais. A bizarrice não ficou reclusa à porta do hospital e se espalhou pelas redes sociais. Teve gente apontando comportamento de lascívia de uma menina de 10 anos. Em resumo: teve “gente de bem” quase avalizando o estuprador. Uma internauta chegou a dizer que “a maioria das mulheres de hoje estão piores do que cachorras no cio”. Se a frase já é absurda em si, cololoque-a no contexto de uma criança estuprada...

O Brasil vive uma falência moral. E se a menina engravidada durante ato de violência sexual fosse filha de um desses “cristãos”? Colocariam seus dogmas distorcidos acima de um futuro menos tortuoso para a menina? A propósito, prenderam o estuprador. Será que agora vão protestar na porta da cadeia também? Será que o show midiático dessas mentes retrógradas ficará relegado a uma criança que queriam transformar em assassina? Que tal se essa gente, que se diz temente a Deus e seguidora de Jesus, organizasse uma campanha para cobrar justiça e prestasse auxílio psicológico vitalício à menina? Acho que seria pedir demais. Todo o fundamentalista é cego e não consegue ver além de sua visão distorcida de mundo.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação