Visto, lido e ouvido

Circe Cunha (interina)
postado em 02/10/2020 22:45

Nada de novo no front amazônico

Pai, lembra o filósofo de Mondubim, é aquele que cuida. Com isso, ficou estabelecido, desde o aparecimento da humanidade sobre o planeta, que o indivíduo capaz de exercer, legitimamente, algum tipo de ascensão sobre seu semelhante, é somente aquele que, desde sempre, agiu no sentido de protegê-lo contra os perigos e as hostilidades do meio. Da mesma forma e por analogia direta, um Estado só pode exercer soberania efetiva sobre uma porção de um determinado território, se cuidar para que essa terra permaneça protegida contra as investidas de estrangeiros e outras ameaças, internas e externas.

Para isso, o uso da força, no caso as Forças Armadas, é, até hoje, o meio prático para dissuadir os pretensos invasores da empreitada. A imposição da força, que é um argumento definitivo e um ultimatum longo da lenta formação dos Estados nacionais, essa foi a fórmula mais empregada para manter ou conquistar maiores porções de territórios. Ainda hoje, é esse o meio mais utilizado para esse fim, mesmo diante das leis modernas e dos tribunais internacionais.

O exercício da soberania é sempre uma relação de poder amparado pela força. Obviamente, o desenvolvimento da ciência da diplomacia, como sendo uma espécie de exército com punho de rendas e com as finesses e a retórica da argumentação, serviu para atenuar o clima de beligerância entre as nações, evitando conflitos e outros males desnecessários. Mas, ainda assim, a soberania sobre todo e qualquer território requer, além de argumentações da diplomacia e do princípio da Uti possidetis, que estabelece que o direito de um país sobre um território é dado pela ocupação dessa área por populações, a força intimidatória da persuasão.

Não é preciso ir muito longe em nossa história para comprovar o quanto a questão da territorialidade brasileira se deve aos esforços sobrehumanos de Portugal em arregimentar tropas para fazer valer seus direitos sobre o imenso continente por ele descoberto, e em terras longínquas e inóspitas, expulsar diversas tentativas de invasões por outros povos. O quanto de vida e recursos essa empreitada teria custado à pequena metrópole, durante séculos, é ainda uma página em branco a ser pesquisada.

Por outro lado, sem disparar um tiro sequer, o patrono da nossa diplomacia, José Maria da Silva Paranhos Júnior, o Barão de Rio Branco (1845-1912), conseguiu a proeza de definir as fronteiras atuais do Brasil dentro de uma América do Sul que, em sua época, era um continente em permanente instabilidade política e militar. O zelo com que cuidava das disputas territoriais do Brasil com seus vizinhos deu ganho de caso na definição de fronteiras com Argentina, Equador, Colômbia, Peru, Uruguai, num tempo em que Ministério das Relações Exteriores ganhava uma dinâmica própria e que serviria como bússola a orientar toda a trajetória de respeitabilidade de nossa diplomacia, reconhecida em todo mundo pela excelência de seus profissionais.

Mas, isso foi no tempo em que havia a atenção e apoio do chefe de Estado para essas questões vitais de Estado. A entrada do século 21 e a ascendência de governos, totalmente despreparados para o exercício do cargo, reduziriam a atuação desse importante ministério a zero, lançando-o em missões que preenchiam apenas os anseios ideológicos de cada governante, dissociados das reais necessidades do país.


A frase que foi pronunciada

“Ah se eles soubessem o que eu penso!”
Presidente Bolsonaro, sobre a posse


Fazer o quê?
» Bancas de revistas, uma marca da cidade vai se apagando aos poucos. Transformadas em lojas de conveniência ou barracas de castanhas, tiram totalmente a possibilidade da leitura entre amigos. Novos tempos.

Vale a preservação
» É raro ver alguma obra em Brasília, inclusive novas casas em terrenos antigos, onde o proprietário queira manter as árvores do cerrado. Geralmente, são cortadas e descartadas para dar lugar ao paisagismo pré-moldado. São troncos tortos como as pernas do Garrincha, como diz o poeta Nicolas Behr. Vale a preservação.

Ideias
» Por falar nisso, os primeiros que deveriam receber instruções sobre a preservação de árvores nativas são os motoristas de trator. Sem noção sobre o meio ambiente eliminam o que veem pela frente. Seria uma campanha publicitária e tanto se a DF Tratores, SM Tratores e outras empresas do ramo distribuíssem folhetos elaborados pela Emater sobre o cerrado.

Participe
» Brinquedo novo para a criançada que enfrenta a pandemia é uma iniciativa que tem mérito. As primeiras damas Michelle Bolsonaro e Mayara Noronha Rocha se uniram com o apoio dos governos federal e distrital, além da preciosa colaboração dos funcionários públicos e comunidade. Quem quiser colaborar é só entregar o brinquedo nas administrações regionais, em batalhões da Polícia Militar e em unidades do Corpo de Bombeiros até
7 de outubro.

Fotógrafo e repórter
» Juvenal Pereira, renomado fotógrafo, guarda um presente para os leitores e amigos. Em dezembro publicará a revista Rota 55.


História de Brasília
Vou pedir ao Nauro Esteves para redesenhar a área interna das superquadras, para que os carros possam atingir os postos de assistência apenas por um lado, mantendo interrompido o tráfego na W-1. (Publicado em 17/1/1962)

 

 

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação