REFLEXÃO

Repense!

Se o mundo ao redor parece sem sentido, ressignifique. Repense! Há caminhos possíveis e velhas ruas esburacadas sem saída

Fernando Brito
postado em 07/11/2020 10:52

Se o mundo ao redor parece sem sentido, ressignifique. Repense! Há caminhos possíveis e velhas ruas esburacadas sem saída. Discursos arcaicos ainda ecoam e movimentam multidões, manifestando oposições tão semelhantes em práticas vis. Mas, em melodioso silêncio, uma nova força desperta, impulsionada por atitudes nobres, valorosas, de amor e respeito à vida. Repense! De que lado estará você, se a história segue em frente?

Tomar posse do próprio destino e conquistar liberdade são façanhas mais acessíveis do que se imagina. É preciso, no entanto, queimar caravelas, desprender-se de âncoras carcomidas pela ferrugem e embarcar numa jornada positiva em que o trabalho deixa de ser sacrifício e se transforma em regozijo. O prazer é o norte. A consciência, a meta. E os frutos abundantes da colheita dos que semeiam a vida serão partilhados com justiça.

Aventure-se... Permita-se desenvolver o melhor do seu potencial criativo. O mundo é vasto. As possibilidades, infinitas. E o suprimento das necessidades estão ao alcance das mãos. Sabe a casa com que você sonha? A Mãe Terra generosamente te ofereceu. Está debaixo dos teus pés. O dinheiro de que você precisa? Plantar alimento é uma forma de imprimir moeda, mas existem tantas outras, sem a obrigação de se submeter a uma estrutura que opera sob bases insustentáveis. Repense!

O amor é a lei. A justiça, o caminho. O trabalho, o valor. A fé e a ciência se integram, oferecendo sentido e perspectivas de contínua evolução. A liberdade, não mais um sonho, mas uma possibilidade concreta, tangível e agradável ao tato.

Somos índios, brancos, negros, orientais. Natureza e tecnologia. Tradição e modernidade. Espiritualidade e aconchego. Cabe à ética orientar nossos passos. Está obsoleto o velho homem de terno e engravatado sempre no comando. Os tristes trópicos cedem passagem à alegria e à prosperidade sustentável.

A gente não quer só dinheiro. A gente quer dinheiro com honestidade. Proteção à fauna e à flora; mares e rios de águas limpas; wi-fi e chuva no sertão; ar puro e gratuito; moralidade na política, menos impostos e mais consensos; dignidade nos presídios; geração de empregos na recuperação de áreas degradadas; festa e ioga. Menos hambúrguer, mais salada e suco verde. Embriaguez consciente. Paz e diversidade. Esporte e lazer. Nossa riqueza está refletida na saúde e no vigor de nossos corpos, que em tudo favorecem a vida e promovem tântrico prazer.

Fica assim decretado: repense o mundo à imagem e semelhança de uma amorosa vontade, regida por ética e justiça, tendo o respeito à vida como fundamento inalienável. Novos tempos estão a caminho. Já é possível ouvir o rufar de alegres tambores e contemplar à distância o charme sedutor de dançarinos que anunciam essa bem-aventurança. Nós vamos ao baile e estão todos convidados...

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação