Visão do Correio

Radicalismo não tem vez

''A hostilidade dominante em um Brasil dividido entre ideologias de extrema direita e esquerda, como nas eleições de 2018, não prevaleceu. Bolsonarista e petistas, antes protagonistas no cenário político, não tiveram espaço na festa dos vitoriosos''

Correio Braziliense
postado em 17/11/2020 06:00 / atualizado em 17/11/2020 08:45

Nem tanto ao céu nem tanto ao mar. Radicalizar pelos extremos não faz o perfil dos eleitores brasileiros. As eleições municipais de domingo último mostraram que a opção da maioria foi por candidatos de centro, conservadores, são mais experientes. A discriminação por raça/cor ou por orientação sexual e identidade de gênero também não pesou na hora do voto. A epidemia do coronavírus fez a abstenção ser a maior dos últimos 20 anos. Em todo o país, 23,14% dos 147,9 milhões não compareceram diante das urnas.

A hostilidade dominante em um Brasil dividido entre ideologias de extrema direita e esquerda, como nas eleições de 2018, não prevaleceu. Bolsonarista e petistas, antes protagonistas no cenário político, não tiveram espaço na festa dos vitoriosos. Ambos foram os perdedores da corrida eleitoral. Os partidos que haviam encolhido em eleições passadas voltaram a crescer. Foram os casos do DEM (Democratas), siglas que compõem o Centrão, como o PSD, PL e PP, atingidos pela Lava-Jato, estão entre as legendas que mais conquistaram prefeituras. Não sectários quantos os bolsonaristas.

O universo feminino também avançou na sua representação política. Candidatas mulheres e negras, além dos transexuais, conquistaram cadeiras nos legislativos municipais. Na disputa por prefeituras das capitais — de Rio Branco, Porto Velho, Porto Alegre, Recife e Aracajú —, elas chegaram ao segundo turno. Estão na disputa pelo comando de 15 cidades com mais de 200 mil habitantes.

Entre as surpresas das eleições, mereceu destaque o desempenho de Guilherme Boulos (PSol), que chegou ao segundo turno contra o prefeito Bruno Covas (PSDB), que tenta a reeleição para seguir comandando a capital de São Paulo. Boulos amenizou o discurso, deixou de lado a radicalização e, assim, obteve mais de 1 milhão de votos dos paulistanos, que compõem o maior colégio eleitoral do Brasil.

O presidente Bolsonaro não conseguiu influenciar os votantes. Seus candidatos foram derrotados, entre eles, Celso Russomano, que estava na corrida pela prefeitura de São Paulo. Ele começou a campanha em primeiro lugar na preferência do eleitorado e acabou na quarta posição. Marcelo Crivella, prefeito do Rio de Janeiro (Republicanos), ligado à Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd), também apoiado pelo presidente, não foi reeleito no primeiro turno. Segue na disputa com o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM). O número 02 dos Bolsonaros, vereador Carlos, foi eleito, mas deixou de ser o campeão de votos da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, ao receber apenas 71 mil votos. Ele foi superado por Tarcísio Motta (PSol), integrante da comunidade LGTBQI+, que teve a preferência de 86.264 votantes.

Para os aliados do presidente, as eleições municipais deram um recado aos que subestimaram e brincaram com a maior crise sanitária em um século, que matou mais de 166 mil brasileiros. A segunda onda da covid-19 vem elevando o número de mortos na Europa e nos Estados Unidos e, portanto, o Brasil não está livre de uma recidiva, em escala inimaginável. Mas não só isso. Os brasileiros dão sinais de cansaço com o tom agressivo de políticos, com o aumento do desemprego e a falta de políticas sociais, além de temerosos com o ritmo da economia no próximo ano.

O estilo Donald Trump de governar, absorvido pelo presidente, não vem agradando a maioria. É hora de rever estratégias e estabelecer políticas públicas que deem respostas rápidas às demandas da sociedade, com discurso e atitudes mais moderados.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE