Sr. Redator

Cartas ao Sr. Redator devem ter no máximo 10 linhas e incluir nome e endereço completo, fotocópia de identidade e telefone para contato. E-mail: sredat.df@dabr.com.br

postado em 25/11/2020 22:53 / atualizado em 25/11/2020 22:55

João Alves Filho

Com imensa comoção eu recebi a notícia do falecimento do meu grande amigo, do grande brasileiro, do grande estadista de Sergipe João Alves Filho. João Alves era um dos mais importantes escritores e pensadores sobre os problemas do Nordeste. Eu não conheço livro melhor sobre a região do que o Nordeste, Região Credora, em que ele demonstra que o Nordeste tem sido, historicamente — ao contrário do que parece ser o senso comum e do que é divulgado em todas as mídias —, exportador de capitais para o Sudeste do Brasil. Nos vários livros que escreveu, há o mais amplo programa do que precisa ser feito para a região nordestina. Como ministro do Interior, durante o governo da transição para a democracia, tive nele um colaborador competente e dedicado que me deu um apoio fundamental. Encontrou tempo para preocupar-se dia e noite pela irrigação da área do Nordeste que vai da Cachoeira de Paulo Afonso para baixo. Portanto, João Alves deixa lacuna importantíssima. Sua presença na política do estado de Sergipe é imensa, feita com a teimosia de quem enfrenta todo tipo de contingência negativa para transformá-la em positiva. É com profunda tristeza que eu estou me juntando ao povo sergipano e à sua família, especialmente à senadora Maria do Carmo, neste momento de dor. Sinto-me também ferido pela sua morte, pois mantivemos uma ligação de amizade que ia muito além do universo político. João Alves, meu querido amigo, fará imensa falta ao Brasil, ao Nordeste, a Sergipe e a todos nós.
» José Sarney,
Ex-presidente da República


O negro no Brasil

Pela PNAD de 2019, 56,2% da população brasileira são negros (46,8% pardos e 9,4% pretos), enquanto 42,7% são brancos. Mas, nas mortes violentas,74,7% são de negros. Negros sofrem mais violência policial e da segurança privada e são 66,7% das pessoas presas. Políticas de segurança discriminam a cor da pele e reforçam o racismo estrutural que vem desde a escravidão e nunca foi enfrentado pelo Estado e a sociedade. Dizem que racismo existe é nos Estados Unidos. Lá, de fato, é forte em estados do sul, onde a escravidão só acabou com a derrota sulista na Guerra Civil. Mas, preconceito e racismo sempre existiram no Brasil e se perpetuam pela pior condição de vida dos negros e pela cultura escravagista da elite branca, que atribui trabalho braçal e serviço doméstico aos negros, como numa sociedade de castas. Vemos o racismo estrutural na educação: 9,2% dos negros são analfabetos, contra 3,9% dos brancos. No trabalho: negros ocupam 29,9% dos cargos gerenciais e só recebem 57,5% do salário dos brancos. São pobres 43,9% dos negros e 15,4% dos brancos. No congresso, 95% são brancos. A própria linguagem oprime: “preto de alma branca”, “denegriu minha imagem”. Preconceito e racismo integram todas as estruturas sociais e só serão superados com esforço e mobilização de todos: Estado e sociedade, visando abolir privilégios e desigualdades e construir uma sociedade democrática e justa.
» Ricardo Pires,
Asa Sul


Desvios

A experiência atenta de oito décadas de vida me permite, sendo contestado, talvez, delinear um perfil sem brilhantismo moral de grande parte dos brasileiros. A frase “o melhor do Brasil é o brasileiro” é uma falácia. Sem saudosismo piegas, convivi com situações mais elogiosas. Vejam, políticos, funcionários públicos, militares se apropriaram do auxílio emergencial para suas algibeiras. Antes, tinha vindo a maior desmoralização da democracia, que foi a reeleição. Em seguida, surge o imoral cartão corporativo. A pior simbiose entre os ladinos políticos e o sonso zé-povinho eclodiu agora: parte da ajuda emergencial estava sendo desviada para campanhas eleitorais. Então, aparece na tevê uma dona de casa pobre, mostrando a geladeira vazia e uma enorme tevê de plasma na parede da cidadã chorosa. Não come, mas pode se empanturrar de Safadão e Anitta. Merece solidariedade? Os fundamentalistas argumentam que não há roubo (referência a Lula) pessoal. Mas, e o dinheiro do Centrão e as vacinas vencidas de quem foram surrupiados?
» Renato Vivacqua,
Asa Norte


Desigualdade

Pandemia da covid-19 escancara a desigualdade e a urgência de reduzir o fosso entre a minoria rica e a maioria pobre. Tudo segue igual no país desigual. Todo ano a Organização das Nações Unidas (ONU) apresenta os dados de desigualdade social no mundo, e o Brasil está entre os líderes desse ranking. Países africanos são seus companheiros, e os árabes são os grandes ausentes na lista. Mesmo com as políticas de distribuição de renda deste século, a extrema concentração continua intocada no Brasil: os miseráveis passaram a pobres, mas o 1% mais rico detém mais de 20% da renda nacional, com picos de 30% nos últimos 100 anos. Após cinco anos de crise econômica, a pandemia de 2020 reforçou ainda mais o tema como prioridade, afinal, boa parte da população não conta com habitação, saúde e trabalho decentes para encarar a catástrofe biológica. O Brasil nunca teve Estado de bem-estar nos moldes europeus. O auxílio emergencial garantiu um crescimento da aprovação do atual governo nas camadas baixas, o que cria um dilema para sua equipe econômica, que defende uma agenda ultraliberal, bem ao gosto da camada alta, sua proposta de reforma tributária é um exemplo disso, afinal, não mexe com os impostos diretos, como o de fortunas e heranças, mas muda os impostos indiretos, como os de consumo, que atingem pobres e ricos na mesma proporção. A pandemia deu um novo olhar, e o brasileiro voltou a se chocar com tanta desigualdade. No Brasil, tudo muda para ficar igual.
» Renato Mendes Prestes,
Águas Claras

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE